CIENTISTAS BRASILEIROS DESCOBREM ESTRELA ANÃ BRANCA COM ATMOSFERA DE OXIGÊNIO.

A teoria previa que algumas estrelas anãs brancas poderiam ter uma atmosfera rica em oxigênio, porém até agora, não se havia encontrado nenhuma. Agora cientistas brasileiros localizaram a primeira, uma descoberta que reformula os estudos sobre a evolução estelar.




Quando as estrelas de tamanho relativamente pequeno (com massas dez vezes menor que o Sol) estão chegando ao fim de suas vidas, eles expelem para o espaço suas camadas exteriores e tornar-se um tipo de estrelas muito densas: anãs brancas.A alta gravidade produzida por sua alta densidade faz com que os elementos químicos mais leves, como hidrogênio e hélio, se elevem para a superfície da estrela, ocultando por baijo os mais pesados, como o oxigênio.
No entanto, alguns estudos teóricos sugerem a existência de anãs brancas com uma atmosfera dominada completamente pelo oxigênio após despojar-se do envolvimento de elementos leves.. Agora a previsão se tornou realidade com os pesquisas publicadas esta semana no Brasil e na Alemanha na revista Science, que fornecem a primeira evidência deste fenómeno.
Ao analisar os dados da sonda celeste da pesquisa Sloan Digital Sky Survey (SDSS),o Professor Kepler de Souza Oliveira, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e seus colegas identificaram SDSS + 671.034,68 J124043.01 uma anã branca desprovida de elementos leves e com uma camada de oxigénio substancialmente puro. Apenasaparecem uns traços de neon e magnésio.

"O fato de que nenhum hidrogenio ou hélio são observados é surpreendente", observam os autores em seu trabalho, o que também explica que o oxigênio o  néon e o magnésio são produtos da combustão do carbono, que ocorre em estrelas com massa suficientemente grande durante a formação de pré-anãs brancas.
Postar um comentário