MATA ATLÂNTICA - A QUINTA FLORESTA MAIS AMEAÇADA DO MUNDO

Fiscais localizam árvore centenária derrubada

Sempre escutamos do desmatamento da Amazônia, e quase nunca dos problemas da Mata Atlântica. A grande maioria das cidades do Brasil está localizada a leste do país avançando sobre os remanescentes desse bioma, que possui biodiversidade maior que a Amazônia (!).

A importância da Mata Atlântica não parece ser clara para a classe governante nem para a população, mas 123 milhões de brasileiros dependem DIRETAMENTE desse bioma como fonte de água. As principais capitais e cidades do Brasil têm suas fontes de água nascendo em região de Mata Atlântica. A poluição desses corpos de água, o desmatamento, a ocupação irregular e outros problemas, estão acabando com esse recurso natural vital para a sobrevivência. Exemplos de como não temos água "para dar e vender" vemos em Curitiba, onde invasões de mananciais já causaram prejuízos enormes à captação de água para a capital do Paraná. Uma das principais fontes, a do rio Iraí, exatamente na nascente do rio Iguaçu, tornou-se inviável, graças a invasões à beira do rio e seus afluentes. Esgoto doméstico, lixo e a destruição da várzea do rio, inviabilizaram o tratamento de água na estação da Sanepar à beira da BR-277.

Para manter o abastecimento outras fontes começaram a ser exploradas (Karste, rio Passaúna, etc). No caso do Karste (na região ao norte da cidade) isso causou problemas à população local. A extração de água desse sistema é considerada com causa de aparecimento de crateras devido ao solapamento do solo e casas apresentaram rachaduras consideráveis. Não aconteceram acidentes maiores por pura sorte! Algumas dessas crateras são de dimensões impressionantes.

A cidade precisa criar novos reservatórios, cada vez mais distantes. Foram construídas as represas de Piraquara 2 e do rio Miringuava, que estão em municípios da região metropolitana e também já apresentam poluição e qualidade de água insatisfatória. Um plano de abastecimento da cidade de Curitiba prevê captação de água até da região de Tijucas do Sul, a mais de 60km da capital. Enquanto isso, rios próximos, com potencial de abastecimento, estão sendo poluídos, suas margens ocupadas, seus cursos alterados e perde-se assim, além da água, uma riqueza em forma de biodiversidade.

Em um levantamento da bacia do rio Pequeno (primeiro afluente do rio Iguaçu) em 2004, a qualidade de água era boa, próximo às nascentes, aceitável no curso superior e médio, e ruim na foz às margens da BR-277, junto à estação de tratamento da Sanepar. Apenas seis anos depois, a qualidade de água deteriorou muito, sendo que já no curso superior do rio é considerada ruim. Apenas SEIS anos! E nesse rio tinha pitus , camarões de água-doce raros atualmente, pois seu ambiente está sendo destruído sistematicamente. O rio Pequeno ainda possui uma várzea bem preservada ao longo do curso superior e médio, rica em espécies de aves e merece ser preservado, mas já há planos de construção de outra represa nesse rio, cujas nascentes estão na vertente ocidental da Serra do Mar em plena Mata Atlântica, já com influência antrópica.

Se não preservarmos esse ambiente, milhões de brasileiros irão sofrer conseqüências inimagináveis, exemplos disso já estamos vendo. Desastres como na região serrana do Rio, têm suas causas na ocupação irregular e destruição da Mata Atlântica. É claro que a intensidade das chuvas que foram a principal causa desse desastre, mas a localização das cidades afetadas é o principal fator que determinou a extensão do mesmo. E iremos ver muitos outros desastres, enquanto não houverem políticas públicas de prevenção de desastres e de recuperação de áreas de preservação permanentes ao longo de rios
A expressão do Macaco Prego parece antever o futuro. Boa parte da Mata não mais existe. E ele se pergunta: Para onde vou?...
Deixo registrada aqui, a sua triste despedida...

ORIENTE MÉDIO - QUEM GANHA E QUEM PERDE?


A mídia conservadora evita o assunto, enfocam apenas a questão do alvorecer da democracia no Oriente Médio, mas a questão que se coloca cada vez mais claramente é: os grandes derrotados com o novo despertar islâmico são os EUA e Israel.

Com o fim das duas ditaduras pró-ocidente na Tunísia e no Egito, e com protestos que crescem no Bahrain predominantemente xiita, onde está atracada a 5ª Frota da Marinha dos EUA, os líderes iranianos têm ampla justificativa para a confiança com que falam de “um Novo Oriente Médio”, cada dia menos rendido aos interesses ocidentais e cada dia mais independente e assertivo.

Para o jornal israelense Ha'aretz, Israel já não pode ter certeza de que o Egito continuará seu aliado contra o Irã. Interpretação mais acurada diria que Israel teme que o Egito se alie ao Irã contra Israel, o que, com certeza, alteraria o equilíbrio de forças, em detrimento do bloco conservador liderado por EUA e Israel que visa a isolar o Irã.

Nos tempos tumultuados que se vive no Oriente Médio e Norte da África, vê-se agora a queda de regimes pró-EUA, ou derrubados ou seriamente contestados pelas massas nas ruas, o que cria, para o bloco liderado pelo Irã (e que inclui a Síria, o Hezbollah no Líbano e o Hamás em Gaza), oportunidade única para colher um importante ganho (geo) político. Mais clara a oportunidade será, se o “efeito dominó” hoje ativado levar a mudança radical também no sistema político arcaico do Bahrain.

Apesar de o almirante Mike Mullen, presidente do Conselho do Estado-Maior dos EUA, em sua última entrevista, ter acusado implicitamente o Irã de estar estimulando a agitação no Bahrain, fato é que muitos xiitas do Bahrain têm como sagrada a cidade iraquiana de Najaf e como líder espiritual o aiatolá Ali Sistani, enquanto só uma minoria segue a orientação de Khamenei.

Seja como for, a inevitável maior influência dos xiitas do Bahrain – que são superiores, em número, aos sunitas reinantes –, seja por revolução, seja mediante o “diálogo nacional” que o governo propôs, acabará por ser interpretada como importante ganho para o Irã. Com isso, será de esperar que o Bahrain e outros membros do Conselho de Cooperação do Golfo [ing. Gulf Cooperation Council (GCC)] passem a demonstrar maior deferência ao rapidamente crescente maior poder do Irã na região. O GCC foi criado em 1981 e inclui os estados do Golfo Persa, Bahrain, Kuwait, Oman, Qatar e Arábia Saudita, e os Emirados Árabes Unidos.

Esse reconhecimento de que a mudança na maré política favorece o Irã, la bête noire dos EUA no Oriente Médio, já é bem visível na decisão da Arábia Saudita, até agora sem precedentes, de permitir que navios de guerra iranianos passem por portos sauditas (os navios iranianos atravessaram o Mar Vermelho e o Canal de Suez, em rota para o porto de Latika, na Síria). Mas o ramo de oliveira estendido ao Irã pode também ter sido motivado pelo medo, em Riad, de um levante; e dessa vez, dos seus próprios xiitas descontentes (há dois milhões de xiitas na Arábia Saudita, numa população de 26 milhões).


Veem-se assim novas questões relativas ao futuro das relações EUA-Irã, à luz da complexa convivência entre interesses conflitantes e interesses partilhados entre os dois países no caldeirão do Oriente Médio e em outros pontos do mundo.
É provável que os EUA sejam obrigados a revisar a abordagem de coerção e violência contra o Irã e seu programa nuclear; que tenham de evitar futuras sanções e alterar a até agora perfeitamente inócua política de isolar o Irã. É possível que tenham de começar a trabalhar para ganhar a confiança de Teerã para defender interesses partilhados ou, no mínimo, paralelos não conflitantes, como, por exemplo, a tríplice ameaça que paira sobre Irã e EUA: a ação dos Talibãs, o extremismo dos wahhabistas e o tráfico de drogas – para não falar da estabilidade regional, que interessa a todos.


No que tenha a ver com os programas nucleares, movimento prudente dos EUA seria aceitar imediatamente o projeto de troca de combustível nuclear para o reator médico de Teerã e apoiar, com todo seu peso político, os esforços da ONU para fazer do Oriente Médio zona livre de armas nucleares.
Deve-se desejar também que os EUA parem de impedir que a Índia participe do projeto do oleoduto Irã-Paquistão-Índia. A lógica econômica da interdependência, que ensina a praticar a moderação, não pode nem deve ser ignorada.

Infelizmente, é pouco provável que Washington, em futuro próximo, venha a reconhecer o papel de destaque de Teerã em todos os negócios no Oriente Médio. Em vez disso, como já transparece na fala de Mullen, os EUA continuarão a analisar o quadro político pelas lentes da fobia anti-Irã – motivo pelo qual toda uma enorme área de “interesses mútuos” permanecerá sem ser nem considerada nem explorada.



DESASTRE AMBIENTAL - CHINA É GIGANTE TAMBÉM NA POLUIÇÃO

22/02/2011
A Nasa, agência espacial americana, divulgou hoje uma foto feita por satélite que mostra a China coberta por uma nuvem de poluição com mil quilômetros de comprimento. Repare na escala acima, de 100 km. A nuvem está no entorno de Pequim. Ela é produto principalmente da queima de carvão para produção de energia.


A nuvem de poluição cinzenta contrasta com uma nuvem comum, bem mais branca, no canto direito da imagem.

Essa poluição de carvão cobre o céu das cidades na China, provocando problemas respiratórios. Também explica por que a China é hoje o país que mais contribuiu para a emissão de carbono que está mudando o clima do planeta.

MUAMMAR Al GADAFFI - O Cachorro Louco do Oriente Médio


O Coronel Muammar Gaddafi era recém chegado ao palco mundial, quando compareceu à reunião da Cúpula Árabe no Cairo em setembro de 1970, exatamente um ano depois de ter chegado ao poder na Líbia, à frente de golpe bem-sucedido – jovem de apenas 27 anos –, que derrubara o rei Idriss, 80.
Em uniforme militar, com revólver à cinta, o fulgurante jovem militar queria ser visto como um “Che Guevara Árabe”. Os árabes reunidos no Egito tinham a tarefa de encontrar solução para o sangrento confronto que varria Amman entre o rei Hussein e os palestinos, conhecido como o “Setembro Negro”.
Gaddafi, protegido do presidente egípcio Gamal Abdul Nasser, ostensivamente pró nacionalismo árabe, estava furioso com Hussein. Com palavras estranhamente adequadas para hoje, Gaddafi latiu que “Estamos enfrentando um louco, Hussein, que quer matar o próprio povo. Temos de mandar alguém lá prendê-lo, algemá-lo, obrigá-lo a parar com o que está fazendo e metê-lo num hospício!”
O rei Faisal da Arábia Saudita, velho e sábio, disse, calmo: “Acho que você não pode dizer que um rei árabe é louco e deve ser metido num hospício”. Gaddafi insistiu: “Mas ele é louco! Toda a família dele é louca!” -- Gaddafi falava do pai de Hussein, o rei Talal, que abdicara em 1951, por estar mentalmente doente e incapaz de governar a Jordânia.
O sábio Faisal retrucou: “Ora, talvez todos nós sejamos loucos”. Nasser intrometeu-se: “Às vezes, quando se vê o que acontece no mundo árabe, Majestade, acho que é mesmo bem provável. Sugiro que se nomeie um psiquiatra para nos examinar periodicamente e descobrir qual de nós está louco.”
Nasser morreu dias depois – e a ideia do psiquiatra perdeu-se no ar. Psiquiatra que examinasse Gaddafi em 1970, provavelmente o declararia incapaz de governar a Líbia. Jovem e ainda muito inseguro, Gaddafi recorreu a comportamento extravagante e a golpes de publicidade, provavelmente para encobrir suas complexidades e fraquezas pessoais, sobretudo na comparação com outros líderes árabes mais sábios e mais bem estabelecidos.

Gaddafi não tinha o carisma de Nasser, nem as credenciais nacionalistas de the Habib Bourgeiba da Tunísia, nem os miolos de Hafez al-Assad da Síria, ou a sabedoria do rei Faisal da Arábia Saudita. Ansioso para mostrar que estava em pés de igualdade com os demais, inventou uma malfadada associação com Egito e Síria em 1972, que jamais se concretizou; em seguida tentou uma união com a Tunísia em 1974, que rapidamente se converteu em animosidade.
Quando essas duas tentativas falharam, Gaddafi tirou o uniforme militar e passou a vestir trajes coloridíssimos, na certeza de que, se suas políticas não atraíam as atenções da mídia, as roupas coloridas e o corpo de 40 mulheres guarda-costas (ditas todas virgens), certamente atrairiam.
Em seguida, abriu seu país a todos os movimentos de resistência pelo planeta, desde que se comprometessem seriamente a “combater o imperialismo ocidental”. Em 1975, publicou trabalho de aspiração filosófica, O Livro Verde, copiado do livro de Nasser The Philosophy of Revolution e de outros livros revolucionários, como Pequeno Livro Vermelho de Mao Tse Tung. O livro do timoneiro Mao veio à luz ao longo dos anos 1964-1976; o de Gaddafi foi publicado em três volumes, entre 1975 e 1979.

Quando ficou claro que os líbios não estavam levando a sério o Pequeno Livro Verde, criticado como compilação de bobagens, Gadaffi tornou obrigatória a leitura de seu livro nas escolas, universidades, livrarias, TVs, rádios e, para que fosse acessível a todos os estrangeiros que o visitassem em Trípoli, mandou traduzir o livro para vários idiomas. Não parou nisso: o verde foi convertido em cor oficial da Líbia.
Gaddafi então decidiu “abraçar” a causa palestina, e abriu as burras de dinheiro, pródigo, para Yasser Arafat, então líder dos palestinos. Quando Arafat recusou-se a perseguir e assassinar opositores de Gaddafi fora da Líbia, Gaddafi imediatamente se tornou seu inimigo, expulsou os palestinos que viviam na Líbia, fechou todos os consulados e escritórios de representação de palestinos e cortou os subsídios.
Em 1995, outro êxodo forçado de palestinos, quando ameaçou extraditar “um milhão de palestinos”, sem se preocupar com o que lhes acontecesse, para castigar Arafat por ter assinado os acordos de Oslo com os israelenses. O fato de estar perseguindo palestinos – a vaca sagrada intocável do nacionalismo árabe – não perturbava Gaddafi; tampouco o perturbava a evidência de que estava repetindo o que o rei Hussein fizera aos mesmos palestinos em 1970. Continuava a insistir que seu estado do bem-estar estava comprometido, de corpo e alma, com os palestinos.

Ao longo dos últimos 41 anos, Gaddafi tenta ocupar o espaço grande demais para ele, de Nasser, que morreu um ano depois de o coronel líbio tomar o poder. Gaddafi viu a paz de Anwar al-Sadat em 1979 com Israel como oportunidade caída do céu para convertê-lo em padrinho do nacionalismo árabe, mas foi derrotado nessa empreitada por Assad da Síria, que assumiu aquele cetro, depois de Nasser.
Dando-se conta de que os arredores árabes pareciam inexpugnáveis para ele, Gaddafi começou a apoiar movimentos de libertação e rebeldes na África Ocidental, principalmente em Sierra Leone e na Libéria. Declarou que a Líbia seria mais africana que árabe. Nos anos 1980s, Gaddafi surgiu para o mundo como firme opositor do presidente Ronald Reagan dos EUA; e Reagan rotulou-o de “o cachorro louco do Oriente Médio”.
Em março de 1982, os EUA declararam proibida a importação de petróleo da Líbia e a exportação de tecnologia dos EUA para a Líbia. Em abril de 1986, os EUA interceptaram mensagens da Embaixada da Líbia em Berlim Oriental, sugerindo envolvimento dos líbios na explosão da discoteca La Belle, tristemente famosa depois da explosão.
Reagan ordenou bombardeio massivo de cidades líbias, como retaliação, que levou à morte de milhares de civis, inclusive de uma filha adotiva de Gaddafi, Hanna. Gaddafi. Disparou dois mísseis Scud contra barcos da Guarda Costeira dos EUA atracados perto de uma ilha italiana, que caíram no mar e não causaram nem danos nem vítimas.
Suas relações com a Grã-Bretanha também sofreram, quando uma policial britânica foi morta na calçada em frente da Embaixada da Líbia em Londres, quando monitorava manifestações anti-Gaddafi. Resultado disso, as relações entre Gaddafi e Londres passaram uma década rompidas e só foram restabelecidas depois que Tony Blair visitou-o em Trípoli, em 2004.O ato provavelmente mais infame de Gaddafi foi a explosão em Lockerbie em 1988, que derrubou um avião da Pan Am (voo 103) sobre a Escócia, matando 270 passageiros inocentes. Impuseram-se sanções internacionais à Líbia durante os anos 1990s, que só foram levantadas quando Gaddafi resolveu limpar seu nome, pouco depois da derrubada de seu amigo e camarada Saddam Hussein.
Em agosto de 2003, Gaddafi escreveu à ONU aceitando formalmente a responsabilidade pelo atentado de Lockerbie, e pagou indenização de cerca de 2,7 bilhões de dólares às famílias das vítimas. Como recompensa, bandos de líderes internacionais visitaram a Líbia. O presidente Nicolas Sarkozy visitou-o em julho de 2007, seguido imediatamente depois pelo primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, em agosto de 2008; no mês seguinte, foi a vez da secretária de estado dos EUA, Condoleezza Rice.

Ao longo de 40 anos, os árabes comuns lidaram com Gaddafi como se lida com uma triste realidade da qual ninguém conseguiu livrar-se e que ninguém conseguiu mudar. Gaddafi passou por quatro reis sauditas, três presidentes sírios e três presidentes egípcios, além de cinco secretários-gerais da Liga Árabe. Sobreviveu a oito presidentes dos EUA, em vários casos, a dois mandatos, e a cinco presidentes da França.
Muitas vezes vangloriou-se de ser o “rei dos reis do Norte da África” e “o mais antigo dos reis e presidentes árabes”. Os líderes árabes jamais se orgulharam muito dele, por causa do comportamento excêntrico, mas tampouco o desafiaram, por ter sido protegido de Nasser.
Gaddafi aprendeu, à tenra idade de 27 anos, que podia fazer praticamente o que bem entendesse no mundo árabe – e nada lhe aconteceria. Nada jamais o perturbou: nenhum escândalo, nenhuma culpa por assassinatos ou crimes, qualquer embaraço por fracassos na liderança.

Tudo isso explica por que o “rei dos reis” nem piscou ao mandar atirar contra manifestantes em Benghazi e Trípoli nas duas últimas semanas, acrescentando mais quase 300 à sua lista de cidadãos líbios mortos. Contratou tribos africanas para atacar líbios, atirou de aviões contra manifestantes desarmados, contaminou a água em Benghazi e cortou todo o fornecimento de combustível, para impedir que seus opositores viajassem entre cidades líbias. Foi Gaddafi sendo Gaddafi, até algum, talvez próximo, ou aparente fim.
O terrível Gaddafi, que gosta de ser chamado de “Irmão Muammar”, disse claramente, através do filho Seif al-Islam, que não renunciará porque, se o fizer, “o imperialismo ocidental” voltará à Líbia. Lutará até o último homem, até a última mulher, e ficará no poder até que desça a cortina do último ato.
O discurso de Seif al-Islam foi montado com palavras do dicionário do pai, rescendendo à violência, força bruta, autoridade ditatorial. Tendo aprendido as lições da Tunísia e do Egito, Gaddafi não fugirá como Zine el-Abidine Ben Ali da Tunísia, nem renunciará como Hosni Mubarak do Egito.
O “Grande Irmão Muammar” tampouco se deixará depor, quando ou se multidões líbias invadirem seu palácio em Trípoli, ou aparecer general para prendê-lo. Preferirá o suicídio, à rendição.

Sami Moubayed - ed.chefe da revista Forward, Síria

UMA HOMENAGEM AO GENIAL CARLITOS

video
NUM MUNDO TÃO COMPLICADO E DESUMANO NADA COMO PARAR 3 MINUTOS PARA NOS MARAVILHARMOS MAIS UMA VEZ COM CHAPLIN.

ECOSSOCIALISMO - UM OUTRO MUNDO É POSSÍVEL?

As pessoas estão tão aterradas, há tantas causas válidas para se lutar, os problemas são difusos, com diferentes assuntos arraigados em localidades dispersas e ninguém pode decidir quais são os limites entre uma crise e outra. São tantas interrogações, como a de quando a crise dos oceanos passou para a atmosfera. É compreensível que as pessoas se mostrem reticentes em questões simples como a proliferação das garrafas de plástico. O ecossocialismo é uma corrente de pensamente e ação que surge. Vale apenas analisá-lo. Precisamos estar antenados a todas as tendências que surgem, concordemops com elas ou não.



Joel Kovel, que teve um destacado papel em várias edições do Fórum Social Mundial (FSM), que neste mês aconteceu em Dacar, afirma que o movimento deve ter por base uma prática e uma lógica anticapitalistas. Considerado o pai do movimento Ecossocialista, Joel analisa a história, trajetória e o futuro do movimento. Também é um dos autores do Manifesto Ecossocialista, que detalha um caminho alternativo ao atual de destruição ambiental. Joel disse que é preciso dar nome a este “outro mundo” e posicioná-lo firmemente contra a ameaça do capital global.

O que é então o ecossocialismo? Trata-se de uma corrente de pensamento e de ação que se reclama ao mesmo tempo da defesa ecológica do meio ambiente e da luta por uma alternativa socialista. Para os ecossocialistas, a lógica do mercado e do lucro capitalistas conduz à destruição dos equilíbrios naturais, com conseqüências catastróficas para a humanidade.
Em ruptura com a ideologia produtivista do progresso - em sua forma capitalista e/ou burocrática - e em oposição à expansão ilimitada de um modo de produção e de consumo incompatível com a proteção da natureza, esta corrente representa uma tentativa original de articular as idéias fundamentais do socialismo - marxista e/ou libertário – com os avanços da crítica ecológica.

A verdadeira crise ecológica é o conjunto de todas elas, que se agravam com rapidez, se propagam pelo mundo e aumentam de forma exponencial. Se quisermos encontrar a causa das diferentes crises sistêmicas, devemos olhar todas elas em conjunto e encontrar o que têm em comum. Cada problema tem sua própria causa, mas, virtualmente cada uma está vinculada à expansão capitalista e pode-se seguir seu rastro até a porta de um banco ou uma potência imperial.
Uma coisa é certa: é preciso urgentemente barrar a degradação do meio ambiente. Para isso todas as formas de luta e de concientização das pessoas são válidas e urgentes.

O FASCÍNIO DOS PÓLOS - PARTE 2: A MORTE DO PÓLO NORTE

Para a completa dissolução do Pólo Norte disparou a contagem regressiva. Vinte anos, como sugere cautelosamente o Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas? Entre os 5 e os 10 anos, como asseguram autorizadas entidades de pesquisa estadunidenses?
Continuo aqui o artigo iniciado ontem, extraido da revista LE MONDE DIPLOMATIQUE de dezembro 2010 de autoria de Gilles Lapouge.

Sol da meia-noite é a designação comum para o fenômeno que ocorre nas latitudes acima de 66º 33’ 39" N ou S, ou seja, para além do círculo polar ártico ou do círculo polar antártico, quando o Sol não se põe durante pelo menos 95 horas seguidas. Em latitudes superiores a 80 graus, o Sol não se põe por mais de setenta dias sem o verão, ou seja, não há noites durante mais de dois meses.

A corrida ao tesouro foi iniciada. Para os geólogos, o espaço ártico é uma festa. Eles desembarcam em bandos e levantam todo o inventário dos recursos ocultos sob o mar ainda branco; calculam a quantidade de petróleo por bilhões de barris; a de gás por milhões de metros cúbicos; a de carvão, cobalto, antimônio, diamantes, cobre, níquel, pesca e poluição. Resta designar os proprietários dessas raridades.

O direito internacional exclui o Pólo Norte dessa batalha, visto que não tem proprietário – pertence à humanidade. Além disso, como uma nação poderia reclamá-lo para si sendo ele um lugar irreal, uma figura meramente matemática, o ponto de intersecção entre o eixo da Terra e a superfície terrestre? De forma geral, está dentro de um espaço onde as horas não existem, já que todos os meridianos e fusos horários convergem num só ponto, de modo que os relógios anunciam todas as horas de uma só vez. Eis um caso de não divisão geológica e geográfica reconfortante.
 
Encontro de todos os meridianos e fusos horários

Mas há uma segunda razão: ao término da convenção da ONU sobre o direito do mar, assinada em 1982, todos os países que margeiam o Oceano Ártico obtiveram o direito de gerir os fundos marinhos de sua costa – desde que estejam a até 360 km de distância – dentro de uma “Zona Econômica exclusiva” (ZEE). No entanto, a maioria dos recursos minerais identificados está perto da costa, dentro da faixa dos 360 km. Assim sendo, a possível exploração de tais recursos não seria causa para litígios. Infelizmente, porém, uma cláusula da convenção de 1992 vem semeando perturbações: se os países envolvidos provarem que a plataforma continental que margeia suas fronteiras se prolonga para além do limite físico de sua ZEE, sua soberania será aumentada em alguns hectares.

Tal cláusula tem agradado muito dos cinco países envolvidos. Seus geólogos rapidamente descobriram inúmeras plataformas continentais. A Rússia anunciou a Dorsal Lomonossov, cadeia submarina de 2 mil km que se estende sob o Pólo Norte e atravessa todo o espaço ártico, ligando a Sibéria à ilha canadense de Ellesmere e à Groenlândia. Segundo o Kremlin, o pólo e os espaços que o cercam pertencem à Rússia, definição a que os geólogos canadenses se opõem, afirmando que a Dorsal Lomonossov é simplesmente um prolongamento da ilha Ellesmere. Algo que os geólogos dinamarqueses rebatem com ironia, assegurando que a cadeia submarina é um prolongamento da Groenlândia, fazendo da Dinamarca sua representante até segunda ordem – ou seja, até que os inuítes, indígenas esquimós que habitam as regiões árticas do Canadá e da Groenlândia, recuperem os seus direitos.


 No momento, o Pólo Norte parece protegido, mas em 10 ou 20 anos as finanças e a indústria se jogarão com unhas e dentes em direção aos mares do Ártico. Sobre o silêncio e a brancura glacial que haviam até então escapado da curiosidade de fuinha da História, os homens irão trazer os tratores e escavadeiras mecânicas, os vazamentos de gás, os navios monumentais, as ONGs, os barulhos, as fábricas de bacalhau, as hordas de ecologistas, as plataformas petrolíferas, os “hiper-super-mega” tanques e os navios quebra-gelo nucleares. A brancura glacial irá desaparecer. Em meio aos icebergs fora de rota, a mar será lamacento. As cidades surgirão das brumas e o belo silêncio pré-histórico será substituído pelo frenesi das sirenes e martelos. Uma das últimas reservas de beleza natural morrerá.


 

Por quatro séculos, o homem tentou se esgueirar através de ilhas e geleiras, a fim de encurtar as distâncias do globo. A partir do Canadá, buscou-se a passagem noroeste que permitiria cruzar o Estreito de Bering e atingir os países do Oriente. Dezenas de equipes e capitães corajosos se perderam nesses brilhantes labirintos, vítimas de ursos ou da solidão e isolamento. Seus corpos estão no gelo. A Rússia, a partir de sua costa, buscou uma rota no sentido nordeste para atingir o mesmo Estreito de Bering, mas junto à Sibéria, a fim de guardar suas mercadorias nos portos da Ásia. O fim inevitável da banquisa ártica vai abrir naturalmente essas duas passagens. Um presente inestimável.
 

Certamente, há de se esperar algum tempo, cerca de 15 anos, segundo os especialistas, para que as passagens Nordeste e Noroeste se tornem operacionais. Mas os litígios jurídicos já começaram: o Canadá considera que sua soberania deve ser respeitada sobre o braço de mar que serpenteia por entre as ilhas canadenses. O direito marítimo tem uma visão contrária, e se prevê um sistema de pedágio. Será também mais adequado constituir frotas possantes, incluindo quebra-gelos nucleares ou navios com cascos reforçados por triplas camadas de aço, capazes de navegar por entre os detritos do degelo.

O FASCÍNIO DOS POLOS

As extremidades do planeta estão ameaçadas. No Polo Sul, os icebergs afundam no mar; no Polo Norte,o gelo derrete e os ursos brancos agonizam. Enquanto isso, os países vizinhos preparam-se para se beneficiar das riquezas minerais e petrolíferas que o derretimento dos bancos de gelo irá proporcionar.

por Gilles Lapouge

Se os polos desaparecessem? Bem, estaríamos em sérios apuros. Há muito tempo nos relacionamos – os polos e nós – e já fizemos tantas coisas juntos! Desde a escola, quando adorávamos desenhá-los em nossos cadernos com a ajuda de réguas e compassos; quando os localizávamos, podíamos então adicionar os Trópicos e a Linha do Equador, com a ajuda da rosa dos ventos, e toda uma pequena sorte de geometrias espalhadas pelo cosmo, encarregadas de conjurar a agonizante desordem da geografia. O polo, eixo do mundo, era um local distante e ausente, mas que ligava todo o nosso globo terrestre, lhe conferindo elegância e solidez como um broche que alfineta as pregas de uma beca.
Hoje, os polos estão ameaçados. Não o polo em si, já que é difícil suprimir aquilo que não existe, mas as paisagens brancas que constituem o seu centro. O Polo Norte está agonizando. O seu gelo está derretendo, e há muitos anos os ursos brancos estão definhando. O Polo Sul é sempre mais frio (em média 20ºC a menos) e não é constituído por uma banquisa (banco de gelo) que flutua sobre o mar, mas por um continente de terra encoberto por uma enorme geleira, representando 90% das reservas de água doce do planeta. Ele resiste melhor ao aquecimento que o Polo Norte, mas, ocasionalmente, da costa de Weddell ou do planalto de Wilkins, um iceberg do tamanho de Luxemburgo se desprende, cai na água e perde-se para sempre.
Iceberg despreendendo-se da Costa de Weddell - Polo Sul

Seduzidos pelas altas de temperatura, os países vizinhos ao Polo Norte (Canadá, Rússia, Estados Unidos, Noruega e Dinamarca) preparam-se para se beneficiar das riquezas minerais e petrolíferas que o derretimento das banquisas irá disponibilizar. Não se sabe se é um conto de fadas ou um filme de terror. As pessoas já imaginavam que havia um tesouro escondido sob essas banquisas, mas antes ele era inacessível. O derretimento do gelo é um milagre e também um vilão, pois é a chave de acesso aos tesouros da caverna.
Banquisa - Polo Norte

Ao mesmo tempo, os homens de negócios e do petróleo questionam-se sobre quantos bilhões de dólares poderão ganhar diariamente e também se serão finalmente abertas as duas rotas mágicas pesquisadas há quatro séculos por todos os exploradores do Ártico: a passagem noroeste, através do Canadá, e a nordeste, através da Sibéria, que colocarão o Extremo Oriente em rota direta com a América e a Europa.

Sempre que a primavera retorna, me pergunto o quanto restará de gelo depois que a neve se for. Em que estado e onde irá se refugiar? E o branco dos polos, que cor terá quando os gelos árticos desaparecerem? Sentiremos muita saudade desse branco, bem como do enorme vazio desse “ponto zero” do mundo. Eles detêm os estoques do alimento mais precioso que ouro e antimônio – a água, ingrediente essencial à vida humana e às sociedades –além de riquezas como a brancura, o vazio, o silêncio, o infinito e o desconhecido.

Gilles Lapouge, escritor, autor de La légend de la geographie, Albin Michel, Paris, 2010

Obs: A imagem acima,divulgada pela ESA, em setembro de 2007, do Polo Norte;impressiona e mostra a Passagem Nordeste apenas parcialmente bloqueada, enquanto a passagem Noroeste, que passa através das ilhas do norte do Canadá, se mostra totalmente aberta, fato que só ocorre historicamente no verão.

Texto retirado da revista Le Monde Diplomatique, ed. dezembro 2010

ENSINO PÚBLICO ESTADUAL PAULISTA - SITUAÇÃO VERGONHOSA

Mateus Bruxel-15.fev.2011/Folhapress
Na tarde de ontem (15), um cartaz colado no portão da escola estadual Roberto Mange, extremo sul de São Paulo, avisava: não haverá aula hoje para a 6ª A e 6ª B. Motivo: falta de cadeiras e carteiras.
Os alunos das duas salas só descobriram que seriam dispensados das aulas de ontem ao chegar na escola, mas o fato não os surpreendeu.
Desde que as aulas começaram para valer, anteontem, parte das turmas da escola têm se revezado, pois não há lugar para todos sentarem. Em um dia, algumas séries foram mandadas para casa; no seguinte, outras.
Segundo alunos e pais ouvidos pela Folha na porta da escola, anteontem pelo menos uma turma da manhã (de 8ª série) e outra da tarde (de 5ª série) foram dispensadas.

Ontem, além das duas salas de 6ª série que ficaram sem aula à tarde, alunos de ao menos uma 8ª série da manhã também voltaram para casa. Estudantes relataram que o problema se estende ainda a turmas da noite.
"Ontem [anteontem] chegamos aqui adiantados, e nos deparamos com o cartaz dizendo que a turma da minha filha não teria aulas. Faço de tudo para meus filhos não faltarem na escola. É complicado", afirma a dona de casa Marlete Oliveira Silva, 38, mãe de uma aluna da 5ª série que caminha por 25 minutos todos os dias para chegar com a filha à escola.
"O pior é que eles avisam de última hora. As mães vêm com as crianças arrumadinhas e têm que voltar para trás", diz a mãe de outro estudante Silene dos Santos, 45, que acompanhou a frustração dos pais nestes dois dias.
Lucinda Correia Ferreira, 46, também conta que o filho aproveitou a manhã de ontem, quando deveria estar estudando, para ir ao dentista, já que a turma dele da 8ª série foi dispensada porque não havia onde sentar.

DEMANDA

Procurada pela Folha, a diretora da escola, que identificou-se apenas como Sueli, disse que não poderia dar entrevistas. Mas afirmou que a falta de cadeiras e carteiras se deve a uma grande "demanda de estudantes".
Depois dos questionamentos da reportagem, uma funcionária retirou o cartaz colado na porta da escola.
Estudantes afirmam, no entanto, que as cadeiras e carteiras são velhas desde o ano passado e que neste ano nenhuma delas foi trocada.
A Secretaria de Educação diz que a diretoria de ensino da região foi alertada na noite de anteontem e vai apurar.
O colégio está localizado no Jardim Myrna, distrito do Grajaú, em uma das avenidas mais movimentadas da região. Ontem, estudantes de 11 e 12 anos que tiveram aulas, mas foram dispensados quase duas horas antes do horário por falta de professores, corriam pela rua.

SUSTENTABILIDADE E CONSUMISMO - COMO CONCILIAR?

Dentro das novas concepções de sustentabilidade a reciclagem tradicional parece ter um peso muito grande. O que é a reciclagem tradicional? É a reinserção de materiais que seriam jogado fora sem passar por processos físicos ou químicos. Os produtos mais famosos dessa técnica são as garrafas Pet que depois de utilizadas são transformadas em cortinas, tapetes, roupas etc. Só que depois de um tempo acabam jogados fora.
Essas técnicas ajudam a fazer menos mal ao planeta, mas ainda não é o suficiente.
A sociedade precisa consumir para sobreviver. É preciso preservar empregos, as empresas sempre vão procurar o lucro e as pessoas sempre vão querer o novo ipod ou a nova tv de Led. O jeito é fazer isso combinar com SUSTENTABILIDADE. E como seria isso possível?
IMITANDO A NATUREZA E RECICLANDO OS PRODUTOS ETERNAMENTE. Para isso os nossos produtos de consumo devem ser fabricados imitando as leis da natureza , reaproveitando todos os elementos num ciclo de vida infinito.
Boa parte do que consumimos hoje em dia, de embalagens a eletrônicos , tem insumos suficientes para gerar novos produtos iguais aos anteriores, sem perda de qualidade. Basta que se aprendam os processos necessários para extrair, purificar e reutilizar esses insumos.. Seria fazer que tudo funcionasse como as latinhas de alumínio: a lata pode ser reciclada infinitamente sem perder qualidade.

Mas para atingir essas metas de sustentabilidade, é necessário uma grande mudança de consciência principalmente dos governos. Pesados investimentos em educação ambiental, em centros de pesquisas, uma completa reestruturação da coleta e separação do lixo (seria o fim dos lixões e milhares de empregos seriam criados na reciclagem compensando a perda de empregos nas áreas de extração). Tudo isso se bem planejado seria também altamente lucrativo para as nações. Estima-se que hoje o Brasil jogue fora 5 bilhões por ano em produtos que poderiam ser reaproveitado nos processos produtivos, principalmente os eletrônicos.

Há ainda outro fator a considerar no caso dos eletrônicos: muitos deles dependem de metais pouco abundantes para serem fabricados – como o antimônio para controles remotos e o índio para Tvs de Led. Esses metais estão com os dias contados na Terra. O antimônio em 13 anos estará extinto e o índio em 4. A única maneira de continuar produzindo os aparelhos será reutilizar os metais dos produtos antigos

A natureza é extremamente sábia em seu eterno ciclo de reaproveitamento. A maçã que cai da árvore é reaproveitada pelo solo ao redor. Os humanos tem que entender que a partir de agora o que não pode ser reaproveitado eternamente é nocivo ao planeta. É preciso rever os modos de produção, os componentes dos produtos e a finalidade dos mesmos. Só assim teremos a possibilidade de prolongar a vida na Terra.
Mãe e Mãe Natureza sem a primeira você até sobrevive, mas sem a segunda não.

DESEQUILÍBRIO CLIMÁTICO PROVOCA INFLAÇÃO MUNDIAL DOS ALIMENTOS

Antes, não nos preocupávamos com a FOME, era um problema da Africa e da Ásia, distantes demais para nos preocuparmos.

No máximo era problema do Nordeste do Brasil, também distante demais das elites do Sudeste e do Sul.


Agora é um problema mundial, o desequilíbrio climático é também democrático, TODOS pagam seu preço. Só que como sempre, os primeiros a sentir seus efeitos são os mais pobres.

A inflação mundial dos preços de alimentos empurrou 44 milhões de pessoas para a linha de pobreza extrema desde junho do ano passado. O número foi divulgado nesta terça-feira 15 pelo presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick. A alta dos preços chegou a “níveis perigosos”, afirmou o presidente do banco em coletiva à imprensa.


Zoellick apresentou um novo relatório do Banco Mundial mostrando que a inflação de produtos alimentícios foi de 29% em 2010. Os níveis mais alarmantes foram os de milho, trigo e óleos, e a expectativa é de que os preços continuem subindo nos próximos anos.

Entre os principais fatores para a alta dos preços, Zoellick aponta os desequilíbrios climáticos. “A freqüência de eventos relacionados ao clima durante o último ano e seu impacto nos preços da comida ressaltam a vulnerabilidade dos pobres diante das mudanças climáticas”, concluiu.

Não há dúvidas que as mudanças climáticas estão causando graves problemas na produção de alimentos. No Brasil, alimentos que antes eram chamados de “comida de pobre” como banana, laranja, mexerica, hoje estão a preços altíssimos para esses mesmos pobres. O tomate a batata e o feijão que há alguns anos eram baratíssimos, hoje pesam no bolso da população.

Para complicar ainda mais, a solução desses desequilíbrios não é regional ou nacional. Ela somente será atingida em escala global, e aí encontramos a resistência daqueles mesmos países de sempre que se recusam a participar de acordos climáticos mundiais. Além disso, não se reverte desequilíbrios climáticos de um dia para o outro. Portanto o quadro que se apresenta num horizonte não muito distante é de mais miséria, mais doenças e mais guerras.

A MORTE ENRIQUECE

O vosso avô é velho? E tem um seguro de vida?
Que bom! chegou a hora de fazer o velhote render.

Peguem o seguro (se o avô oferecer resistência podem ameaçá-lo), liguem para a empresa Life Partners, vendam o seguro e fiquem com o dinheiro. Com o qual podem sempre comprar um presente (não muito caro) para o velhote, que afinal merece uma parte (pequena) do dinheiro.
Esta é a idéia dum novo negócio que está florescendo nos Estados Unidos. Empresas como Life Partners apostam na morte do beneficiário do seguro. Como é que ninguém ainda tinha pensado nisso?
De fato faz sentido: qual a graça em receber o dinheiro uma vez morto? Fica mais simpático antes, não depois de ter deixado este mundo.

E porque não investir na morte? Pois é disso que estamos falando.

O aspecto ainda mais mórbido é que Life Partners não compra o seguro de vida da pessoa idosa: convence investidores a comprá-lo. E quando o velhote morrer, o investidor fica com o valor do seguro. Entretanto, claro, o idoso recebe logo o dinheiro, sem ter de morrer por isso.
Desta forma, o investidor que adquire o seguro torce para a morte do velhote. Quanto mais depressa este morrer, de fato, tanto maior será o lucro, pois os valores reembolsados diminuem com o passar dos anos.
E se o velhote não morrer? Pode ser um idoso teimoso. E malcriado também, pois desta forma o investidor perde dinheiro. Mas não muito, pois cedo ou tarde o velhote morre. Por isso é só esperar que a Natureza faça o trabalho dela..

Mas quem é Life Partners?

É uma empresa sediada no Texas e avaliada na Bolsa de Wall Street, fundada por Brian Pardo. Que, com esta idéia, ganha US$ 1.061.637 por ano. Nada mal para um coveiro.
As ações da Life Partners começaram com um valor de US$ 2 a 3, mas nos últimos dois anos ganharam bastante e agora alcançaram os 18 Dólares. Em 2010 o lucro líquido será de 29 milhões de Dólares.

Agora é só esperar para ver qual será a próxima fronteira da decência que a Bolsa conseguirá atropelar.

PAÍS RICO É PAÍS SEM POBREZA

Os brasileiros se acostumaram com a idéia de que país rico é aquele com alta renda, mesmo que concentrada. Ou ainda que seria rico o país com renda alta mas que destrói o meio ambiente.
O novo slogan é uma visão completamente diferente, é uma perspectiva completamente nova, que vai trazer para as nossas crianças uma maneira diferente de ver o problema da riqueza e da pobreza, porque coloca dentro do próprio conceito de riqueza o fato de não ter pobreza ao redor.

A ministra-chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom/PR), Helena Chagas, apresentou à imprensa, no Palácio do Planalto, a nova logomarca do governo federal. Por meio do slogan "País rico é país sem pobreza", o governo reafirma o compromisso firmado pela Presidenta logo após vencer as eleições, que é dar prioridade à erradicação da miséria e redução da pobreza extrema no País.

A concepção da marca foi solicitada pela Secom e é uma evolução da anterior. Ela foi criada e doada pelo diretor de arte Marcelo Kertész, que trabalha na equipe do publicitário João Santana. Não houve custo para o Governo.

EGITO - MUBARAK NÃO RENUNCIOU, FOI DERRUBADO PELO POVO

Ao contrário do que anuncia a nossa maravilhosa imprensa conservadora, Osnir Mubarak não renunciou, foi derrubado pelo povo concentrado nas ruas a 18 dias, se recusando a retornar a suas casas enquanto o ditador estivesse no poder.

Dizer que Mubarak renunciou como se fosse sua exclusiva vontade chega a ser ridículo. Basta ver as fotos desses últimos 18 dias e ver que não havia para ele outro caminho. Era apenas uma questão de tempo.
O Egito agora tem um longo caminho pela frente. A queda de Mubarak não representa o fim de uma luta mas o início de um longo e árduo caminho pela reconstrução do país.

EGITO - A LUTA CONTINUA

Novamente as expectativas da maioria da população são frustradas. Já são 17 dias de luta incessante, 300 mortos, mais de 5 mil feridos. O ditador resiste. O apoio do exército é o seu principal trunfo.
Todas as expectativas hoje eram de que renunciaria. E agora o que acontecerá? Amanhã é o aniversário da revolução do Irã de 1979 que levou ao poder os Aiatolás. É também um dia sagrado para os muçulmanos. O povo estará nas ruas com certeza.

Toda resistência sem sentido só leva ao radicalismo. Os EUA não pode pressionar o Egito a acelerar a transição porque está comprometido até o último fio de cabelo com Osnir Mubarak nesses 30 anos de de cumplicidade. Mas e agora? O povo está nas ruas e parece que não está disposto a voltar derrotado para casa. A crise econômica é muito grande. Quase 50% da população vive abaixo da linha de pobreza com menos de US$ 2,00 por dia. As taxas de desemprego são altíssimas. Todos os outros índices sociais são alarmantes. O resultado é esse:
Até quando o velho ditador resistirá? As pessoas não param de clamar: SAIA JÁ MUBARAK!!!

POR QUE COZINHAR NOS TORNOU HUMANOS


Hoje quando você for fazer sua refeição cozida ou assada pare para um MOMENTO DE REFLEXÃO: terá sido isso que nos fez humanos?

Ninguém sabe como os primeiros humanos descobriram o fogo, nem quando isso aconteceu. Acredita-se que tenha acontecido entre 1,6 a 1,9 milhões de anos atrás, com base em vestígios encontrados nas escavações. Em algum momento, nesse período, o hominídeo teve a brilhante idéia de usar o fogo para cozinhar os alimentos.
Alimentos cozidos são digeridos mais facilmente do que os crus, já que o organismo gasta menos energia para quebrar suas moléculas. Estudos sobre o amido cozido presente na aveia, no trigo, nas batatas e no pão branco, por exemplo, revelam que 95% dele é digerido pelo corpo humano. Já para o cru, a taxa cai quase pela metade. No caso das proteínas da carne, o cozimento pode aumentar a digestibilidade em até 40%. O calor promove a quebra das moléculas fazendo com que as ligações internas se enfraqueçam e fiquem mais expostas à ação das enzimas digestivas.
O uso de uma alimentação exclusivamente cria trás inúmeras deficiências. O mais exztenso estudo da área, feito com 513 pessoas na Alemanha, comprovou que além de perderem em média 10 quilos quando passavam de uma dieta cozida para uma dieta crua, quase um terço das pessoas apresentavam deficiência crônica de energia. Cerca de 50% das mulheres pararam de menstruar. Os homens também sofreram alterações em suas funções sexuais. Isso é perigoso para a manutenção de qualquer espécie. Uma taxa de fertilidade inferior a 50% teria sido devastadora em uma população de caçadores e coletores.
Com a digestão de alimentos cozidos desapareceu a necessidade de ter bocas, maxilares, estômagos e intestinos muito grandes – e esses órgãos acabaram diminuindo e a parte da energia antes dispensada na digestão acabou sendo usada para desenvolver uma jóia evolutiva: o nosso cérebro. O volume total de nosso tubo digestivo é cerca de 60% menor que o de um primata de nosso tamanho. Em compensação a comida cozida fez a nossa caixa craniana crescer, o que teria levado ao aparecimento do homo-erectus há cerca de 1,8 milhões de anos. Naquela época o tamanho do cérebro teria aumentado cerca de 40%, até 870 cm3,Depois ele continuou crescendo até chegar aos 1400 cm3 da caixa craniana que temos hoje.
Além de tudo isso, a maior rapidez na mastigação e digestão deu a nossos antepassados mais tempo e oportunidade de ficar juntos. O cozimento uniu as pessoas ao redor do fogo (que também protegia do frio e predadores) e estimulou a socialização.
Ainda a muito a ser pesquisado e há outros fatores que levaram ao distanciamento evolutivo do homídio em relação aos demais primatas, mas não há dúvidas de que o fogo e o cozimento dos alimentos é um fator importante na nossa evolução.

Este texto é uma pequena síntese do interessante livro de Richard Wrangham – PEGANDO FOGO- POR QUE COZINHAR NOS TORNOU HUMANOS, Ed Zahar, 2010


Richard Wrangham é professor da Universidade de Harvard e mentor do Kibale Chimpanzee Project, em Uganda, a mais importante pesquisa sobre o comportamento de chimpanzés no mundo.

MISSÃO KEPLER - EM BUSCA DE PLANETAS HABITADOS

A Missão Kepler observará durante cerca de 3 anos uma região do céu na constelação Cisne, medindo meticulosamente o brilho de cem mil estrelas para descobrir uma amostra substancial de exoplanetas com períodos até um ano terrestre, pelo método dos trânsitos.
Os seus instrumentos têm precisão suficiente para detectar planetas de dimensão semelhante à da Terra.
O objetivo último será encontrar planetas similares à Terra.
O telescópio Kepler vai estudar 100 mil estrelas próximas, utilizando o método dos trânsitos, de modo a tentar encontrar planetas similares à Terra
.

Chegou ontem a notícia: a missão Kepler descobriu candidatos a planeta do tamanho da Terra e, mais ainda, os primeiros que estão na zona habitável de uma estrela! Resultados mais do que aguardados pelos astrônomos do mundo inteiro. Isso porque a missão espacial Kepler da NASA foi concebida na década de 1990 justamente com o intuito de detectar planetas que tivessem o tamanho da Terra e, por isso, deveriam ser rochosos.
A missão Kepler, depois de vários meses observando as constelações do Cisne e da Lira, encontrou uma estrela batizada de Kepler-11 (a uma distância de 2.000 anos-luz) e mostrou o mais impressionante sistema planetário já descoberto. A Kepler-11 é uma das 156 mil estrelas do tipo solar que serão monitoradas durante pelo menos 3 anos e meio.
A demora é fundamental, pois o objetivo é achar um planeta com as mesmas características que a Terra, que leva um ano para completar uma órbita. Para se fazer uma detecção segura de uma gêmea terrestre, são necessários no mínimo 3 anos de observações.
Em Kepler-11, foram achados seis possíveis planetas, cinco deles confinados em órbitas que caberiam dentro da órbita de Mercúrio. Na verdade, todo o sistema caberia dentro da órbita de Vênus.

Esses cinco planetas mais interiores devem ter, de acordo com modelos numéricos, massas entre 2,3 e 13,5 vezes a da Terra. O sexto planeta deve ser bem parecido com Urano ou Netuno em termos da massa, mas isso é apenas especulação, pois o modelos usados não forneceram resultados satisfatórios nesse caso. Aliás é bom que se diga, são resultados de modelos.

A descoberta precisa ser confirmada com meios mais diretos que simulação numérica e já há campanhas observacionais programadas para daqui a um ano com esse objetivo.

Impressiona também os números da missão. Até agora, a missão Kepler já descobriu 1.235 candidatos a planetas desde que foi lançada, em março de 2009 (confirmados são apenas 15). Desses planetas, 68 são aproximadamente do tamanho da Terra, 288 são chamados de “super Terra” pois são maiores que a Terra, mas ainda são menores que Netuno, portanto ainda podem ser rochosos.

Cinquenta e quatro planetas foram encontrados na zona habitável, que é a região em volta da estrela onde é possível encontrar água líquida em um planeta. Desse total, 5 candidatos têm o tamanho aproximado da Terra e são esses candidatos que serão prioridade nos próximos anos.

O que era ficção científica há 20 anos, hoje é uma realidade muito agradável. Como disse William Borucki, da NASA, nós saímos do zero para 54 candidatos na zona habitável! E os resultados têm mostrado que aproximadamente 20% das estrelas têm sistemas planetários e que, na maioria das vezes, são sistemas com múltiplos exoplanetas. Isso significa que deve existir muito mais astros do que antes se imaginava.

COITADA DA MULHER NA ARÁBIA

O depoimento do jornalista Roberto Porto é bastante ilustrativo da situação social, política e religiosa dos países árabes.
Mulheres no Cairo, Egito, semi-destruido pela revolta popular


É possível que as coisas na Arábia Saudita tenham melhorado desde que lá estive a trabalho, em Jeddah (capital administrativa), às margens do Mar Vermelho. Mas não duvido de que tudo esteja como antes, no severo islamismo que domina o país, um dos maiores produtores de petróleo do mundo. A família real, que vive em Riad (capital geográfica, em meio ao deserto) segue subserviente aos americanos, que mandam e desmandam na Aramco (Companhia de Petróleo do país), o consumo de bebidas alcoólicas continua terminantemente proibido – sujeito a castigos terríveis – e a água potável inexiste num país totalmente dominado por areias e alguns camelos.
A água de Jeddah é salobra, extraída do Mar Vermelho por usinas gigantescas, que lhes tiram a salinidade e a deixam com um gosto estranho. Em poucas e resumidas palavras, a água dos banheiros e piscinas vem do Mar Vermelho, que de vermelho não tem nada, é quase negro. Já a água dos restaurantes é a francesa Evian, até porque, mesmo islâmicos, ninguém é de ferro para engolir aquela água de gosto estranho. As ruas não têm nomes, calçadas ou números nas casas e edifícios. Você pega um táxi, dá um ponto de referência – Hotel Khandara, por exemplo – e o motorista vai direto ao local, em meio a um buzinaço sem qualquer sentido.
Com seis horas a mais do que o horário de Brasília, sempre sobrava um tempo para um mergulho na piscina do hotel – água morna, tal o calor de 40 graus – e eu, Ary Gomes (fotógrafo) e Márcio Guedes decidimos esquecer o frio que fazia na Europa, de onde viemos e para onde iríamos de volta. E foi na piscina do Hotel Khandara que descobri que as mulheres não podem tomar banho na mesma água utilizada pelos homens. Havia um pequeno grupo delas – americanas – todas vestidas em maiôs discretíssimos, jogando cartas protegidas por um guarda-sol. Calculei que deviam ser mulheres de técnicos da Aramco, pois a Arábia não permite turismo.
Não permite turismo nem fotografias dos árabes, alegando que uma foto roubaria a alma do cidadão. Ary, então, sempre com a máquina escondida, ia fotografando o que podia, desde que as fotos fossem entre nós mesmos. Nem mesmo as americanas jogando cartas podiam ser flagradas – uma espécie de ditadura do islamismo. Tentamos de tudo, mas sempre havia um árabe de plantão ameaçando tomar a máquina fotográfica. Mas lá mesmo em Jeddah soube de drible nos costumes.
Os príncipes tinham no aeroporto um Boeing 707 sempre pronto para decolar para Londres. Na capital inglesa, além de um bordel exclusivo, afastado da capital, cometiam saliências à vontade e enchiam o pote de uísque escocês. Uma semana depois, com o avião repleto de compras – as mais variadas, menos uísque – regressavam satisfeitos a seus palácios e suas variadas mulheres. Mais tarde, passando por Londres, pude verificar que diversas ruas londrinas e lojas tinham seus nomes em inglês e árabe – e concluí que os antigos beduínos, enriquecidos pelo petróleo, eram useiros e vezeiros turistas na capital inglesa.
Mas, na Arábia, propriamente dita, mulher não tem vez. Só se houver uma revolução nos costumes, o que não acredito.

(*) Na foto, na piscina do Hotel Khandara, eu Ary Gomes e Márcio Guedes.

EGITO: O QUE VIRÁ AGORA?

ABAIXO MUBARAK

Depois de 30 anos o Egito acorda e descobre que não quer mais a ditadura Mubarak. Mas o que querem os egípcios? Seria muito bom se fosse democracia. Mas não nos esqueçamos do Irã. Depois de anos de governo do Chá Reza Pahlav o país fez uma grande revolução, mas no lugar de democracia veio o governo fundamentalista dos Aiatolas.
As forças conservadoras religiosas são muito bem organizadas e terão muita capacidade para neste momento de estremencimento político assumir o governo.
É o momento de lançar os sapatos. Mas é mais fácil do que organizar um governo democrático num país em que o fundamentalismo assume proporções enormes.
Resta torcer para que as forças políticas egipcias sigam o caminho certo, e depois de séculos de submissão saibam se impor, não através do fundamentalismo religioso. O povo árabe tem uma história de tolerância e sabedoria em seus 7.000 anos de existência. Que essa sabedoria prevaleça.

Que se mantenha a mobilização popular, para impedir manobras que levem ou a nova submissão aos interesses do Ocidente, já que o Egito é fundamental na geopolítica do petróleo, ou aos interesses dos fundamentalistas religiosos.

CHIMPANZÉ CHORA A MORTE DE FILHOTE

O site do jornal britânico Daily Mail divulgou na segunda-feira a imagem de uma chimpanzé lamentando a morte do filhote de apenas 16 meses de idade. O registro foi feito por câmeras de cientistas do Instituto Max Planck de Psicolinguística, da Alemanha, que estudavam exatamente como os primatas enfrentam perdas.


A chimpanzé filmada carregou o corpo morto do filhote durante 24 horas, antes de largá-lo cuidadosamente no chão. A mãe continuou a observar e a tocar no corpo. Ela ainda levou outros chimpanzés para notarem o primata falecido.

Com forte relação com os filhotes, a fêmea de chimpanzé carrega a cria durante os dois primeiros anos e continua a amamentá-la até os seis anos de idade.

Os chimpanzés reagem à morte de forma parecida à humana. A conclusão é de James Anderson, do grupo de comportamento e evolução do departamento de psicologia da Universidade de Stirling, na Escócia.

"Vários fenômenos têm sido considerados como separadores entre o homem e as outras espécies, como a capacidade de raciocinar, de falar ou de utilizar ferramentas, além da consciência de si mesmo”, diz Anderson. “Mas a ciência mostrou que essas divisões são na realidade mais relativas. A consciência da morte é um desses fenômenos psicológicos atribuídos durante muito tempo somente aos humanos”, afirma.

Ainda segundo ele, “as observações que temos feito das reações de chimpanzés reagindo à perda de seu par ou em seus últimos momentos de vida indicam que são muito conscientes da morte e provavelmente de maneira muito mais desenvolvida do que se suspeitava”.

O trabalho descreve as últimas horas e a morte, no dia 7 de dezembro, de uma fêmea com mais de 50 anos, que vivia com um pequeno grupo desses primatas no Parque de Safári Blair Drummond, na Escócia. Tudo foi filmado. Nos dias que precederam à morte da fêmea, o grupo esteve muito silencioso e com a atenção centrada nela, especialmente em seu rosto, ressalta Anderson. Pouco antes de sua morte, os companheiros faziam muitas carícias na veterana moribunda.

Segundo os pesquisadores, após afastar-se por um tempo, Rosie, a filha mais velha de Pansy, com 20 anos, voltou e ficou a noita toda ao lado do corpo.

"Nos dias antes de Pansy morrer, os outros até alteraram sua rotina de sono para ficar perto dela, dormindo no chão em um compartimento onde normalmente eles não dormem”, contou Anderson ao site Discovery News.

Em um segundo estudo, o grupo dos cientistas Dora Biro, da Universidade de Oxford, e Tetsuro Matsuzawa, da Universidade de Kyoto, testemunhou nas florestas de Bossou, na Guiné, um longo ritual funerário de duas mães chimpanzés, Jire e Vuavua, que velaram os cadáveres de dois filhotes por 68 dias.