IMPRESSIONANTE IMAGEM DE PLUTÃO

A poucos dias atrás, a equipe da sonda New Horizons nos deixou sem palavras pela enésima vez com algumas imagens incríveis de Plutão, mas sim, em estrito preto e branco. Talvez para compensar esta deficiência da cor, a NASA publicou várias imagens coloridas do planeta anão. Vamos ver essa fotografia impressionante- de todo o disco de Plutão em cores, e impressionante  alta resolução  que foi enviado à Terra em 19 de Setembro, clique para amplia-la. Detalhe: a sonda New Horizons está a "apenas" 5 bilhões de Kms da Terra, para chegar lá viajou por 9 anos,
 A sonda foi lançada em 2006, dos Estados Unidos, a bordo do foguete Atlas. Ela viajou até Júpiter e usou a gravidade desse planeta como um estilingue para acelerar sua velocidade. Desde então, a sonda ficou adormecida e viajou pelo espaço até ser reativada, em dezembro do ano passado.
Sete instrumentos que estão a bordo da sonda vão captar essas imagens, que serão transmitidas para a Terra. O tempo de transmissão dos dados de Plutão até a Nasa, nos Estados Unidos, é de quatro horas e meia. Quatro horas e meia para percorrer 5 bilhões de Kms e chegar à Terra com essa qualidade. Que ninguém ouse duvidar da capacidade humana, pena que nem sempre é usada para o bem.

NASA MOSTRA EM MAPA QUE REGIÃO SUDESTE E SUL DO BRASIL TIVERAM AS TEMPERATURAS MAIS ALTAS DA HISTÓRIA



O Sistema de Analises da temperatura da Terra do Instituto Goddard da NASA (GISTEMP) divulgou através de sua conta no Twitter (NASAGISS) um mapa de temperaturas para os três meses junho-julho-agosto deste ano. Os dados provisórios apresentados neste gráfico confirmam que o conjunto do planeta registrou recordes mundiais nos últimos meses (verão no caso do hemisfério norte e inverno no sul) das temperaturas mais altas da história deste tipo de dados (130 anos).
O gráfico do GISTEMP assinala em especial as regiões do planeta em cor vermelho com uma maior diferença entre a temperatura média para esta época do ano e a temperatura média acumulada durante os meses de Junho, Julho e Agosto. Pode ser visto claramente que em quase toda a Europa, o leste dos Estados Unidos e grande parte do Oriente Médio como áreas que tiveram este ano uma temperatura mais quente do que a média histórica (anomalia em relação ao período de referência 1.951-1.980) do verão. Na zona central do Pacífico e na costa oeste da América se observa também uma temperatura média mais elevada, provavelmente ligado ao El Nino.
Pode-se observar também que as regiões sul, sudeste e centro-oeste do Brasil destacadas com a cor vermelha também apresentaram temperaturas muito acima da média para o período de inverno.
Os gráficos produzidos pelo GISTEMP são baseados em estações de dados Atmospheric Administration e Oceanos (NOAA), ERSST e SCAR; e, geralmente, muito em linha com os dados oficiais publicados pela Organização Meteorológica Mundial (OMM).

O SEMESTRE MAIS QUENTE DESDE 1880

Os dados do NOAA divulgados pela OMM em 25 de agosto mostram que o período de janeiro a julho 2015 foi o mais quente da história deste tipo de registos sistemáticos (de 1880 até o presente). A temperatura média global para superfícies terrestres e oceânicas combinadas 1 de Janeiro a 31 de julho de 2015 foi de 0,85 ° C acima da temperatura média do século XX.
A temperatura em julho de 2015 foi de 0,81 ° C acima da média histórica para esta época do ano. Visto que julho é climatológicamente o mes mais quente do ano no hemisfério norte, NOAA também acredita que julho 2015 é o mês mais quente desde registadas sistematicamente este tipo de dados, com uma média global de 16, 61 ° C.
No hemisfério sul ocorre que julho é o mês mais frio do ano, fato que não ocorreu este ano
sendo registrado na região sudeste do Brasil temperaturas bastante elevadas. O Rio Grande do Sul que deveria ter média de 10 graus registrou temperaturas de 35 graus, as mais altas desde 1909.


EL NINHO SERÁ DEVASTADOR EM 2015/2016



O aquecimento do Pacifico oriental trará conseqüências globais. Este ano pode ser o mais forte desde o início dos registros a 65 anos.

Astronautas dizem que a cada órbita ao redor da Terra, a metade do tempo passam voando sobre o Pacífico. São 45 minutos sobre o oceano dos 90 que levam para dar a volta ao redor do mundo a bordo da estação espacial. A enormidade do Pacífico é melhor vista do espaço que a partir da superfície, onde os mapasmundi dão mais importância para os continentes e jogam o grande oceano para a periferia. Mas, com 46% de toda a água da superfície da Terra, não é de estranhar que qualquer grande perturbação no clima do Pacífico trará conseqüências em escala global. Às vezes conseqüências trágicas, como a seca em algumas regiões e inundações em outras, e não são apenas meteorológicas.
Mudanças de humor do Pacífico também têm conseqüências econômicas e sociais, afetando o abastecimento de água, colheitas, aos recursos pesqueiros, aos preços dos alimentos e da inflação em alguns países. Isto é o que vai acontecer nos próximos meses se as previsões da Organização Meteorológica Mundial (WMO) e da Agência Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos forem confirmadas.
A grande perturbação que está tomando forma no Pacífico é o fenômeno EL NINHO. Por razões que não são conhecidos com precisão, o oceano como um pêndulo gigante oscila com um aumento na temperatura da superfície, aumento que ocorre de leste e oeste. O ciclo é repetido de cinco em cinco anos, em média, embora seja irregular e a sua duração pode variar de dois a sete anos.
El Niño ocorre quando a temperatura aumenta nas águas superficiais das latitudes tropicais e equatoriais do Pacífico Oriental. A sua intensidade, como sua periodicidade é irregular. O aquecimento em agosto foi localizado "entre 1,3 e 2 graus acima do normal", a OMM informou esta semana. Em algumas áreas, o aumento atingiu 3 graus, como mostrado nos mapas de temperatura divulgados pela NOAA.
"Esses registros indicam que a intensidade da corrente El Niño é muito significativo", diz a OMM. Pode superar o episódio de 1997-98, o mais forte desde que os registros começaram na década de 50 em que 21.000 mortes e perdas foram registradas ao valor de 32 bilhões de euros.
As consequências ainda são incertas, chegarão nos próximos meses. Na medida em que os eventos acima podem servir como um guia, a intensidade máxima de El Ninho irá ocorrer entre outubro e janeiro e os seus efeitos irão persistir em 2016.
No entanto, "os modelos de previsão estão longe de serem perfeitos", diz Ken Takahashi, climatologista da Universidade de Washington em Seattle, em um blog da NOAA. "El Ninho não tem os mesmos efeitos nos mesmos lugares o tempo todo."
Há poucas dúvidas sobre alguns dos seus efeitos. No Pacífico oriental, a chegada de água morna pobre em nutrientes na zona equatorial levará os peixes a procurar  águas mais frias e afetará a pesca como ocorre em todos os episódios de El Ninho. Na verdade, foram os pescadores locais que deram o nome ao fenômeno de El Nino, no final do século XXI ao perceberem que a escassez de peixes costumava ocorrer em dezembro  quando o nascimento de Jesus é celebrado. Os acontecimentos de 1972 e 1982 a 1983 afetaram gravemente as populações do Peru que viviam da pesca da anchova, da sardinha da merluza e da cabala.
Na atmosfera, o aquecimento das águas da superfície do Pacífico oriental provocarão correntes ascendentes de ar quente e a formação de tempestades. Mas onde exatamente a chuva vai cair e com que intensidade não se  pode prever com precisão.
Na extremidade ocidental do oceano, o fenômeno oposto ocorre: as águas rasas e com baixas temperaturas, provocará uma situação anticiclónica e precipitação reduzida.
Como regra geral, El Ninho costuma causar inundações no Equador e no Peru, as chuvas generosas na Argentina, Califórnia e África Oriental e secas na Austrália, Índia e Indonésia. Enquanto algumas regiões são afetadas, outras estão se beneficiando.
Assim, a falta de chuvas muitas vezes prejudica lavouras de café na Indonésia, Austrália trigo e arroz na China. As chuvas de 1997 e 1998 na África Oriental favoreceram a proliferação de mosquitos e um aumento dos casos de malária. Outra vítima colateral foi em 2010 na cidade de Vancouver (Canadá), que organizou os Jogos Olímpicos de Inverno e encontrou temperaturas excepcionalmente quentes.

Em contraste, as economias dos Estados Unidos, Canadá, México e Argentina costumam beneficiar-se com El Ninho, de acordo com um estudo publicado no ano passado por economistas da Universidade de Cambridge (Reino Unido) e do Fundo Monetário Internacional. Nos Estados Unidos, por exemplo, o episódio 1997-1998 forneceu um benefício para a economia de 13.500 milhões de euros graças a boas colheitas no Centro-Oeste e El Ninho freou a formação de furacões no Atlântico.

GELO DO ÁRTICO DESAPARECE MAIS A CADA ANO

video

A redução da camada de gelo que cobre o Oceano Ártico é um dos processos que melhor ilustra o impacto da mudança climática. Espalha a cada ano, entre muitos outros dados, medições da superfície máxima e mínima coberta pelo gelo nessas águas perto do Pólo Norte. A NASA recriou este processo com os dados de 2015, em uma transmissão de vídeo composto muito ilustrativo através da Internet.
O nível mais alto do ano foi estabelecido no último 25 de fevereiro, enquanto o registro mais baixo de gelo no Oceano Ártico ocorreu em 11 de setembro, quando as águas que cercam o Pólo Norte tiveram cerca de  4,41 milhões de quilômetros quadrados superfície coberta por gelo, de acordo com a análise pela NASA e do Centro de Neve e Gelo de Dados (NSIDC), da Universidade do Colorado em Boulder (EUA).
Para você perceber o valor dessa figura deve ser lembrado que a média registrada entre 1980 e 2001 colocou o nível mínimo de gelo no Ártico em 6,22 milhões de quilômetros quadrados. Ou seja, este ano, o Ártico tem uma superfície de gelo de 29% menos do que pode ser considerado normal.
No lado positivo dessa análise comparativa, especialistas apontam que houve três anos no degelo do Ártico que foram ainda pior do que durante a última década de 2015. O recorde absoluto para a perda de gelo no Ártico permanece com  2012. O nível mínimo de 2014 foi de 5,03 milhões de quilômetros quadrados, o sétimo menor nível já registrado.

REGULADOR DE TEMPERATURA DO PLANETA

"A capa de gelo na água do mar congelado do Ártico flutuando em cima do oceano ajuda a regular a temperatura do planeta ao refletir a energia solar de volta ao espaço", recordam uma vez mais especialistas da NASA no lançamento oficial dos dados deste ano.
A calota de gelo do Ártico cresce e diminui ciclicamente a cada ano. O comprimento mínimo que ocorre no final da temporada de derretimento no verão do hemisfério norte tem vindo a diminuir desde o final da década de 1970, coincidindo com o aumento global das temperaturas associadas à mudança climática.
"Este ano, estabeleceu-se o quarto mais baixo nível de gelo no Ártico desde que tais estudos começaram, e nós não vimos qualquer grande fator meteorológico importante ou padrão persistente no Ártico para ajudar a impulsionar a recuperação ", disse Walt Meier, um dos pesquisadores do gelo marinho no Instituto NASA Goddard.
Walt Meier assinala que um dos fatores mais importantes no atual processo de fusão é que "o gelo do Ártico está se tornando cada vez menos resistente e a cada ano é necessário menos calor para que o degelo ocorra." Na verdade, dez anos, com níveis de gelo mínimos estão concentrados no século XXI.

"Boa parte do gelo do Ártico, que costumava ser uma camada sólida, agora está fragmentado em icebergs menores que estão mais expostos ao aquecimento das águas do mar aberto. No passado, o gelo do mar Ártico era como uma fortaleza que só poderia ser atacado pelos lados. Agora é como se os invasores tivessem cavado túneis por baixo e que o gelo está derretendo agora por dentro ", disse Walt Meier ilustrativamente.

COMO SERÁ VIVER EM MARTE?



Com as novas descobertas sobre a possível existência de água e portanto possibilidade da existência de vida mesmo que microrgânica, cresce nossa curiosidade sobre o nosso planeta vizinho.
Um ano em Marte equivale a 22 meses e meio do ano terrestre. O dia em Marte é pouco maior que o nosso para ser mais exato 24 horas e 40 minutos.
Como na Terra, Marte tem as 4 estações devido à inclinação de seu eixo, porém as estações diferentemente da Terra são de  períodos desiguais: sete meses de primavera, seis meses de verão, cinco meses e meio de outono, quatro meses de inverno. Há ainda uma grande diferença entre os hemisférios norte e sul, sendo o sul de temperaturas mais intensas tanto no verão como no inverno.
Embora o planeta tenha uma atmosfera, é tênue se comparada à terrestre e composta quase que exclusivamente de CO2 por isso necessitaremos de um traje espacial. As diferenças de temperatura entre dia e noite e verão e inverno são extremas apesar de sua atmosfera ainda ser capaz de captar e repartir o calor com alguma uniformidade amortecendo as diferenças mais agudas. Ainda assim temos temperaturas que vão de – 126 graus nos pólos a agradáveis + 20 graus no equador, mas que podem mudar drasticamente em uma semana.


Essas grandes variações de temperaturas provocam gigantescas tormentas de pó que em certas ocasiões podem ser globais e cobrir todo o planeta. Embora provavelmente não nos fariam danos físicos o pó poderia ser uma ameaça ao sistema eletrônico de nosso veiculo assim como a produção de energia de nossos painéis solares. Apesar de ter só 1% da densidade terrestre a atmosfera marciana ainda é suficiente para vaporizar meteoritos até certo tamanho. A atividade vulcânica e tectônica também não seriam ameaça. Há vulcões e Marte, alguns colossais, mas não há indícios de que estejam ativos. Apenas a radiação poderia ser um problema, já que existe um campo magnético global, mas é  administrável com o equipamento adequado. Fora disso, na parte meteorológica não haveria mais grandes novidades. Observaríamos finas nuvens cruzando o céu e alguma geada pela manhã, como observou a nave Viking. Mas não encontraríamos nuvens de chuva, e menos ainda chuva, embora a Phoenix descobriu que podem ocorrer nevadas esporádicas nas regiões dos Pólos. Com este céu claro e este ar tênue as noites de Marte são maravilhosas, cheias de estrelas e ainda observamos a dança de suas 2 pequenas luas, Fobos e Deimos. Ainda que não sejam como nossa enorme Lua tem seu próprio encanto, especialmente Fobos que surge e se põe três vezes no mesmo dia.
O céu diurno nos cobre com um manto alaranjado, que não tem nada a ver com a composição da atmosfera mas sim com o eterno pó em suspensão que está sempre presente o que torna Marte o pesadelo para os obcecados por limpeza.  E, possivelmente, teremos ao pôr do sol um pouco de nostalgia, como ele é assustadoramente semelhante ao da Terra, mas neste caso com cores invertidas, com o sol, rodeado por um halo azul.
Uma foto é da Terra a outra de Marte. Qual é qual?


Marte é sem dúvida um bom lugar para viver. Hostil à vida tal como a conhecemos, seguiríamos dependendo de trajes e sistemas de suporte vitais. Os sinais de antigos vales fluviais, as tênues nuvens, as trocas de estações, os por de sol azulados as nevadas matinais e também as tormentas de pó, semelhantes as dos desertos terrestres, nos oferecem um cenário que embora sendo desértico, segue de certa maneira sendo dinâmico e em alguns pontos até quase terrestre. Não é estranho que seja o objetivo prioritário em uma futura colonização humana fora da Terra.

A DESCOBERTA DE ÁGUA EM MARTE



Confirmado. O Diretor de ciência planetária da NASA, Jim Green, anunciou numa coletiva de imprensa e publicou na revista Nature Geoscience que existem evidências de água salgada em Marte e que essa líquido é o responsável pelos sulcos lineares descobertos nos declives das crateras durante as estações mais quentes do planeta. Esta água líquida sob a superfície aumenta as possibilidades do planeta ter alguma forma de vida.
A descoberta foi possível graças as imagens da sonda MRO (Mars Reconnaissance Orbiter) que utiliza um instrumento chamado CRISM, um espectrômetro de imagem que permite identificar tanto os minerais como outros tipos de compostos da superfície marciana. Os resultados revelaram evidências de sais hidratados em quatro lugares diferentes de Marte. Esses lugares conhecidos como Sulcos lineares (RSL, linhas de inclinação) que medem uns 5 metros de largura e que são estudados a anos, se devem à atividade da água salgada, confirmam os especialistas.
Fluxo da água
A cada verão marciano surgem esses misteriosos fluxos lineares, quando as temperaturas estão na casa dos 20 graus negativos, que parecem avançar pelas encostas nas latitudes médias do hemisfério sul; esses sulcos desaparecem ao chegar o frio. Os dados recentes indicam que o fato de que essas rachaduras não permanecem durante todo o ano marciano é uma evidência de um fluxo de água líquida que graças às temperaturas mais quentes, se estende costa abaixo através das colinas e ladeiras. Quando chegam as estações frias desaparecem.
Graças aos dados espectrométricos de CRISM, uma equipe de cientistas do Instituto de Tecnologia da Geórgia (EUA) confirmou a presença de sais hidratados como percloratos e cloratos muito abundantes nesse planeta (até 10.000 vezes mais que na Terra) e que reduzem o ponto de congelamento da água de  O a – 70 graus Celsius circunstancia que torna possível a água líquida.
Em geral, na superfície de Marte as condições são muito hostis para a vida (especialmente devido a radiação UV) mas estes novos dados sobre a existência de água líquida subsuperficial indicam que a habitabilidade é muito mais favorável no subsolo marciano que é onde deverá se concentrar os esforços futuros na busca de vida.