SONDA JUNO ENVIA IMPRESSIONANTE IMAGEM DE JÚPITER



Em agosto de 2011 a NASA enviou ao espaço a Sonda Juno com a missão de estudar o planeta Júpiter. Quase 6 anos depois a NASA divulga as primeiras imagens do planeta enviada pela sonda de 1 bilhão de dólares.
Juno está carregando uma câmera, chamada Junocam. Como tirar uma foto quando a espaçonave está girando? Malin Space Science Sistem (MSSS) assumiu esse desafio. JunoCam tem um projeto chamado “push-frame” que faz a imagem de uma tira de cada vez que a espaçonave gira e o objeto fotografado passa pelo campo de visão. Para obter a imagem final as tiras devem ser costuradas e as cores alinhadas.
Apesar de toda tecnologia conseguir essas fotos foi muito difícil. Júpiter está envolto em cinturões de radiação que interferem nos aparelhos eletrônicos.

Esta bela imagem divulgada pela NASA foi criada pelo cientista Gabriel Fiset usando os dados enviados pela Junocam. As imagens foram tomadas em 11 de dezembro de 2016 a uma distância de 52.200 km, acima das bonitas nuvens do planeta.

SATÉLITE BRASILEIRO SGDC FOI LANÇADO HOJE


04/05/2017
O SGDC-1 (Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas 1) é um satélite de comunicação geoestacionário brasileiro que foi construído pela Thales Alenia Space, ele será colocado na posição orbital de 75 graus de longitude oeste e será operado pela Telebrás. O satélite é baseado na plataforma Spacebus-4000 e sua expectativa de vida útil será de 15 anos.
O SGDC-1 vai trazer mais segurança para as comunicações estratégicas do governo e às comunicações militares, pois seu controle será realizado no Brasil em estações localizadas em áreas militares, sob a coordenação da Telebrás e do Ministério da Defesa.
A aquisição de um satélite próprio para as comunicações civis e militares foi tomada em 2013 pela presidente ilma após o escândalo das escutas de celulares pela CIA é uma decisão estratégica e necessária para garantir a soberania do país. Atualmente, os satélites que prestam serviço no Brasil, ou são controlados por estações que estão fora do país ou possuem o controle de atitude nas mãos de empresas com capital estrangeiro. Em qualquer dos casos há prováveis riscos de acontecer interrupções nos serviços em uma situação de conflito internacional ou decorrente de outros interesses políticos ou econômicos.

A Visiona é a empresa responsável pela integração do sistema SGDC. Ele vai aumentar a oferta de acesso à banda larga nas regiões mais remotas do Brasil, através do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), e garantir a soberania do Brasil nas comunicações das Forças Armadas.
A construção do satélite é estratégica para garantir a soberania do Brasil nas comunicações governamentais e também vai assegurar o fornecimento de internet banda larga aos municípios distantes e isolados dos grandes centros do país, aonde não chega à rede terrestre de fibra óptica. Atualmente, existem mais de dois mil municípios brasileiros com difíceis condições ao acesso para a rede de fibra ótica terrestre.
O satélite estáva previsto para ser lançado em março de 2017, mas foi lançado hoje 04/05/2017 por meio de um veiculo Ariane 5 da empresa francesa Arianeespace, a partir do Centro Espacial de Kourou na Guiana Francesa. Devendo entrar em operação no segundo semestre de 2017.

O governo inaugurou o centro de controle principal em Brasília e operadores foram treinados na França para manejar o equipamento. Os investimentos voltados para o centro de controle foram feitos visando o lançamento futuro de outros satélites. Uma estação auxiliar, semelhante à da capital, está no Rio de Janeiro e servirá como um meio de reserva de segurança do controle do SGDC-1.

O satélite cobrirá todo o Brasil e ficará em órbita a 36 mil quilômetros da Terra, pesando 5,8 toneladas. Capaz de transmitir 54 gigabits por segundo, o artefato viabilizará que uma banda larga de qualidade sirva todos os municípios do país. A comunicação, mesmo nas regiões mais isoladas, será facilitada e possibilitará que a aquisição integre o povo brasileiro e gere maior acesso à informação. “Nós vamos levar cidadania às comunidades mais isoladas”, declarou Francisco Ziober, presidente da Telebras, à Assessoria de Comunicação do Ministério da Defesa.
O satélite também permitira aumentar em 2,4 vezes a capacidade das comunicações militares.
O projeto do governo Dilma era a construção de mais 2 outros satélites até 2020, os SGDC 2 E 3, não se tem ainda uma posição do novo governo se o plano para os outros satélites será mantido.

BRASIL PODE VIVER MAIOR GREVE GERAL DE SUA HISTÓRIA


Sexta-Feira o Brasil pode viver uma greve geral que ultrapasse a de 1917, a maior greve geral, há exatos cem anos.

A greve de 1917 foi resultado de uma aliança das organizações operárias, que naquele tempo tinham inspiração anarquista, aliada à imprensa mais alternativa. E de certa forma mostrou a força do novo segmento que nascia no Brasil, o operariado.
Pode-se dizer que aquela greve foi filha direta da primeira industrialização brasileira, provocada entre outros fatores pela I Guerra Mundial (14 a 18). E ao mesmo tempo pela elevação dos preços de alimentos causados pelo aumento da exportação agrícola para os países da chama Tríplice Entente (França, Inglaterra e Rússia).

A questão é como este movimento cresceu tão rápido e se fortaleceu tanto apesar de uma industrialização ainda imberbe e de um nível baixo de conexão entre os trabalhadores. A resposta que muitos historiadores arriscam é que as condições de trabalho impostas aos operários daquela época foram o combustível da reação.

 Cem anos depois, o governo Temer, seus aliados do mercado e a Rede Globo parecem ter desconsiderado este princípio básico. O marketing não se sobrepõe à experiência de vida. Principalmente quando se percebe que sua vida vai piorar e que seus parcos direitos serão retirados se nada for feito.

O governo Temer, buscou sua validação a partir de reformas absolutamente impopulares, mas que poderiam lhe garantir a confiança dos seus fiadores golpistas internos e externos. Imaginou que os trabalhadores só iriam se revoltar contra isso lá na frente, quando não haveria mais com o que se preocupar. Enganou-se.

A greve já está na boca do povo. Literalmente. Nos bares, cabeleireiros, pontos de ônibus e escolas, as pessoas estão discutindo o que vai acontecer na sexta-feira.

Aliás, das escolas particulares (pasmem!) chegam as notícias mais surpreendentes. Colégios de classe média alta já avisaram pais e alunos que seus professores decidiram parar. E que o fazem para defender (pasmem, again) seus direitos.

Os aeroviários também estão falando em parar. Metroviários e motoristas de ônibus das principais capitais, idem.

Prefeitos progressistas já estão abonando o dia dos funcionários públicos que decidirem parar.

Quem conhece processo de mobilização em redes sabe no que isso pode vir a dar. A bola que desce da avalanche costuma crescer de maneira exponencial no processo final. Nos últimos dias do acontecimento alvo.

A greve geral desta sexta de 2017 pode repetir uma história de 100 anos e vir a recolocar o Brasil nos trilhos. Porque ao fim e ao cabo, o capitalismo só entende uma mensagem. A que lhe toca no bolso. E se os trabalhadores brasileiros não quiserem vir a ter uma qualidade de vida próxima aos de 1916, a hora de ir à luta é agora. E pelo jeito, boa parte já percebeu isso.
Texto de Renato Rovai

Revista FORUM

GUERNICA - 77 ANOS

O SOFRIMENTO IMORTALIZADO POR PABLO PICASO - GUERNICA

Guernica (ou Gernika, em euskera), capital cultural e histórica do País Basco, região dividida entre a Espanha e a França e com longo histórico separatista, amanheceu no dia 26 de abril de 1937 esperando apenas mais um dia normal, pese a tensão pela guerra que se aproximava cada vez mais da cidade.
Além dos cerca de 5 mil habitantes, a pequena vila encontrava-se lotada de refugiados de outras cidades próximas e de combatentes a caminho de Bilbao, maior e principal cidade da região, para defendê-la dos ataques das tropas de Francisco Franco aliadas às tropas de Hitler e Mussolini.
Às 15h30 a calma da cidade foi quebrada pelo som de sirenes e pelos gritos desesperados da população que buscava refúgio sabendo que se avizinhava um ataque. Este não seria o primeiro contra a população civil de uma cidade basca, dado que no mês anterior Durango havia sido cruelmente bombardeada, custando a vida de quase 300 civis.
CASA DAS JUNTAS
Imediatamente após as sirenes, o primeiro ataque começou, por ordem do tenente coronel alemão Wolfram von Richthofen, da Legião Condor. Um Dornier Do 17 alemão e três Savoias S-79 italianos lançaram toneladas de bombas em uma das pontes da cidade e na estação de trem, atingindo casas e a igreja de São João. Pouco depois, mais três aviões alemães He-111 despejaram sua cota de bombas na cidade.
Às 18h, um novo bombardeio, ainda mais pesado, levado a cabo por 19 Ju-52 alemães que lançaram não apenas bombas explosivas, mas incendiárias, com o objetivo de dizimar a cidade e todos dentro dela. Como se não bastasse, veio um quarto ataque, desta vez com metralhadoras.
A quantidade de fumaça resultante dos bombardeios e do fogo que consumia a cidade tornava difícil a identificação de alvos específicos, o que propiciou ainda mais destruição à medida que bombas e balas eram descarregadas a esmo.
Museu da Paz
Entre 150 e 300 bascos foram mortos, centenas de outros foram feridos e mutilados. E os horrores deste ataque foram contados ao mundo pelo jornalista George Steer, para o The Time de Londres, que visitou a vila pouco após sua destruição, e por Pablo Picasso em seu famoso quadro "Guernica", no qual coloca em uma tela todo o sofrimento e desespero das vítimas inocentes e os horrores da guerra.

Poucos edifícios continuaram em pé na cidade, mas intactos restaram apenas os prédios das Juntas (governo local) e a simbólica Árvore de Guernica, o símbolo máximo da identidade basca e que, reza a lenda, é replantada há milhares de anos no mesmo local como símbolo da resistência e sobrevivência do povo basco.
A ARVORE DE GUERNICA

UMA ESPETACULAR IMAGEM DA TERRA



O novo satélite meteorológico da NOAA, GOES 16, já está em funcionamento. Este satélite representa uma nova era de satélites meteorológicos e sua primeira imagem oficial é uma boa prova disso. Se trata de uma imagem do disco completo de nosso planeta que foi criada utilizando vários dos 16 canais espectrais disponíveis no GOES-16.

A imagem mostra a América do Norte e do Sul e os oceanos circundantes com uma beleza sem igual. O satélite GOES-16 observará a Terra desde uma vista equatorial de aproximadamente 35.888 km de altura, criando imagens de disco completas como esta.

COMEÇA O GRANDE FINAL: A ÚLTIMA JORNADA DA SONDA CASSINI

OS ÚLTIMOS MOMENTOS DE CASSINI
A mítica sonda Cassini começa a última etapa de sua missão, chamada adequadamente de Grande Final. Cassini, que foi lançada em 1997 e chegou a Saturno em 2004, se espatifará contra Saturno dia 15 de Setembro, pondo fim a um episódio de exploração do sistema solar que passará a História.. A fase Grande Final começou dia 22 de abril de 2017 com o sobrevôo 127 sobre Titan a só mil km de distância. A gravidade da maior lua de Saturno serviu para mudar a órbita da sonda veterana e colocá-la em uma nova órbita que a levará a atravessar 22 vezes o espaço que existe entre os anéis e o planeta antes de se destruir.
Essas 22 órbitas finais foram escolhidas com muito cuidado para aproveitar ao máximo as informações que a Sonda poderá fornecer em seus últimos meses de vida. Atravessar o fosso entre os anéis e o planeta não é fácil. A sonda terá um espaço relativamente grande, de uns dois mil Kms de amplitude para cruzá-los sem problema, mas a velocidade relativa de Cassini será enorme, 34 kms por segundo. O perigo do choque de partículas com as antenas e o motor da sonda será muito grande, apesar de seus escudos de proteção.
Essa missão final permitirá obter dados sem procedentes dos anéis, do campo magnético, da atmosfera e do interior de Saturno.

REPRESENTAÇÃO DA DESCIDA FINAL DE CASSINI  EM SATURNO



AQUECIMENTO GLOBAL - ICEBERG GIGANTE APORTA NO CANADÁ



A chegada de um iceberg gigante - cerca de 15 metros mais alto do que aquele que afundou o navio Titanic - vem atraindo curiosos para uma pequena cidade no litoral do Canadá, alavancando o turismo local.
No período entre abril e setembro, especialmente na primavera, é comum ver centenas de grandes blocos de gelo flutuando pelo local - conhecido como "alameda dos icebergs" -, mas há relatos de que este seria o maior já visto na costa da província de Terra Nova e Labrador. O gigante gelado é o primeiro da primeira deste ano no Hemisfério Norte.



Além disso, ao contrário dos demais, ele parece ter se fixado, ou encalhado, em uma área acessível para barcos, onde deve permanecer por tempo indeterminado.
Curiosos aproveitam a novidade para tirar fotos da paisagem deslumbrante. Muitos fazem seus cliques pelas estradas de Ferryland.

Pouco mais de 600 icebergs já passaram pela costa somente este ano, segundo a imprensa local, sendo que em 2016 foram registrados 687. A quantidade significativa desses blocos em travessia tem sido atribuída aos ventos fortes e aos efeitos do aquecimento global, que reduz a camada de gelo nos extremos do planeta.