CRISE DO CAPITALISMO?


Mais uma vez se ouve e lê em todos os meios de comunicação a palavra crise. Mais que isso, milhares de trabalhadores a sentem na própria carne, pelo desemprego e pelo medo.
Quantas vezes em meus 57 anos já ouvi falar em crises e já as vivi. Estamos atualmente numa encruzilhada do sistema capitalista. A empresa capitalista necessita acumular capital para investir em tecnologia, para lançar novos e mais atraentes produtos para continuar concorrendo no mercado e acumular mais capital esse é o ciclo.

Nessa roda louca quanto mais os concorrentes investem em tecnologia e lançam novos produtos, mais rápido a roda tem que girar para que a empresa continue no mercado. Aquelas que giram sua roda mais lentamente caem, são engolidas pelas mais competentes.
Esse é o processo inaugurado com a Revolução Industrial na segunda metade do século 19 e que se mantem inalterado, apenas tem se acelerado com a evolução tecnológica.Até onde o mundo suportará esse esquema enlouquecido. Você compra um equipamento de ponta hoje e daqui a um ano ele estará ultrapassado, obsoleto. Li hoje nos jornais que a China não pode crescer a taxas inferiores a 8% ao ano pois isso será um desastre não só para os chineses como para o comércio mundial. O Brasil não pode crescer a taxas inferiores a 3% ao ano pois com taxas inferiores a isso não tem como colocar no mercado os novos contingentes de jovens e as empresas não conseguiram acumular capital suficiente para investir em novas tecnologias e novos produtos perdendo para a concorrência de outros países. E assim é com todos os países. Agora, o mundo suportará isso? Por quanto tempo? Para se manter no mercado as empresas precisam acumular pesado, investir pesado, consumir muita...muita energia e matérias primas, explorar radicalmente os recursos naturais. Até onde o planetinha suportará esse esquema de acumulação e consumo.
A verdade é que o capitalismo precisa evoluir para um sistema mais justo onde a concorrência e o lucro não sejam a finalidade única e final do sistema. Concorrência é bom...leva ao progresso mas não pode ser a deusa em nome da qual tudo se justifica.Precisamos de um sistema que privilegie o bem estar de todos os habitantes do planeta, uma distribuição mais justa e igualitária, e que esteja comprometido com a preservação do planeta. Essa roda louca de acumulação e investimento tem que ser controlada por Estados comprometidos com o bem estar de suas populações.
Bernardo
Postar um comentário