PROPAGANDA E ILUSÃO


É tudo tão bonito nas propagandas. Ao folhearmos jornais, revistas, ao vermos TV ou outdoors nos trajetos, deparamos com um mundo maravilhoso. É o “What wonderfull world”. Com que habilidade as agências de propaganda criam mundos idealizados de acordo com o interesse de seus patrocinadores. Na imagem acima destacam-se as obras, ninguém percebe o gigantesco desmatamento, o concentração populacional em conjuntos e todos os problemas ambientais e humanos.
Goebbels, o ministro da propaganda nazista da Alemanha de Hitler, rapidamente percebeu a importância da propaganda e sua capacidade de alienação e, com habilidade, levou o povo alemão a acreditar no regime nazista, que deveria durar mil anos, e que em 12 anos levou a Alemanha e a Europa à ruína.
Após isso a propaganda só se aperfeiçoou. Com os recursos maravilhosos é possível criar o mundo que se quiser e voltado para a classe social que se pretende atingir com a mensagem.

Hoje folheando o jornal vi uma propaganda interessante: uma fábrica de automóveis voltada para as classes A e B dizia estar investindo mais de 1 bilhão na robotização de sua fábrica no Brasil o que tornaria seus carros mais perfeitos. Certamente se a propaganda fosse voltada para as classes mais abaixo seria a anti propaganda e deixaria esses trabalhadores aflitos...adeus empregos.

Outra propaganda interessante é uma que veicula nas rádios, de um poderoso Banco, que ao anunciar o financiamento de imóveis em condomínios de luxo tem um refrão que diz:
“Quero viver num mundo que seja seguro
Quero ver o sol nascer atrás do muro”
E as propagandas oficiais então...são uma obra prima de ilusionismo e, o que é pior, pagas com nosso dinheiro. Que país maravilhoso elas anunciam, quanto qualidade em nossas escolas, quanto eficiência e tecnologia na saúde pública, na segurança, no transporte, etc.
Para termos o pé fincado na realidade é preciso estar sempre muito atento e termos um espírito crítico muito desenvolvido ou poderemos um dia derrapar como o povo alemão, um povo tão culto e que se deixou levar por um regime que quase o destruiu.
Bernardo
Postar um comentário