LIBERDADE PARA JIMMY!

QUEM SOMOS PARA NOS CONSIDERARMOS SENHORES ABSOLUTOS DA VIDA NESTE PLANETA? QUE DIREITO TEMOS DE MANTER UM CHIMPANZÉ ENJAULADO NUM PAÍS EM QUE A MESMA JUSTIÇA DÁ HÁ TANTOS CRIMINOSOS O DIREITO À LIBERDADE?

“O Tribunal de Justiça do Rio não concedeu habeas corpus ao chimpanzé Jimmy, uma das principais atrações do Zoológico de Niterói, na Região Metropolitana do Rio. A ação que pedia a liberdade do chimpanzé foi proposta por 30 entidades protetoras dos animais, pessoas físicas e Organizações Não Governamentais (ONGs). O grupo pedia a transferência do chimpanzé para um santuário de primatas no estado de São Paulo, sob a alegação de que Jimmy precisava de espaço e da companhia de sua espécie.

Segundo as entidades que pediram o HC, o animal estaria vivendo isolado há anos em uma pequena jaula no zoológico. Jimmy é conhecido por gostar de pintar telas de arte. Os trabalhos produzidos pelo animal já foram expostos em Niterói.
A assessoria de imprensa do TJ-RJ informou que durante o julgamento, o desembargador contou que pesquisou muito sobre o assunto e que, apesar de estudos concluírem que o chimpanzé é o parente mais próximo do homem, com 99,4% do DNA idênticos ao do ser humano, o mesmo não pode ser considerado como pessoa. Ainda de acordo com o TJ, a Fundação Jardim Zoológico de Niterói (Zoonit) alegou que Jimmy é muito bem tratado e que está em uma jaula que atende plenamente as suas necessidades.”

Além das bananas, as tintas e os pincéis têm espaço garantido na jaula do chimpanzé Jimmy, um ilustre morador do Zoológico de Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Desde o início de setembro, o primata pinta telas e cartolinas e desperta a curiosidade dos visitantes do espaço.
As obras são dignas de um artista, ao menos, é o que garante o treinador do macaco, o publicitário Roched Seba.
Roched conta que teve a ideia de introduzir as artes plásticas na rotina do chimpanzé, após ver que zoológicos de outros países já ofereciam a técnica aos animais. O primata gasta cerca de 30 minutos para criar uma pintura contemporânea, com rabiscos e cores para todos os lados. Assim como os artistas, Jimmy também tem seu lado temperamental e não gosta de pintar quando o zoo está cheio.
“Às vezes, ele não está a fim mesmo, aí o Jimmy pega o pincel e joga fora. Aí nem adianta forçar, é melhor propor uma outra atividade. Mas ainda bem que ele está gostando de pintar, são raras as vezes que ele não está disposto”, contou Roched.
Um dos quadros de Jimmy

“Ele criou o hábito de pintar diariamente. E as obras têm nos surpreendido, a aceitação dele à pintura é bem interessante, e não descarto futuramente criar uma exposição com os trabalhos do Jimmy”.
Em dezembro ocorreu a exposição de 14 Telas pintadas por Jimmy com o nome de “ Olhares de um Chimpanzé”, na galeria 52 em Niterói.
O pedido de habbeas corpus para Jimmy segue agora ao STJ.
Postar um comentário