HÁ UMA CORRENTE NO NÚCLEO DA TERRA


"Sabemos mais sobre o Sol do que  sobre o núcleo da Terra porque o Sol não está escondido de nós por 3000 km de rocha".
Isto já está mudando graças à missão Swarm da Agencia Espacial Européia (ESA), composta de 3 satélites lançados em novembro de 2013.

Normalmente associamos correntes com o clima mas, graças à missão de campo magnético da ESA, os cientistas descobriram uma corrente profunda abaixo da superfície da Terra - e está acelerarando.
Lançado em 2013, o trio de satélites ‘Swarm’ está medindo e  desvendando os diferentes campos magnéticos que derivam do núcleo da Terra, manto, crosta, oceanos, ionosfera e magnetosfera.
Juntos, esses sinais formam o campo magnético que nos protege da radiação cósmica e das partículas carregadas que fluem para a Terra através de ventos solares.
Medir o campo magnético é uma das poucas maneiras pelas quais podemos olhar para dentro do nosso planeta. Chris Finlay, da Universidade Técnica da Dinamarca, observou: “Sabemos mais sobre o Sol do que sobre o núcleo da Terra porque o Sol não se esconde de nós por 3000 km de rocha.”
O campo existe devido a um oceano de ferro líquido superaquecido e em circulação que compõe o núcleo exterior. Tal como um para-raios em movimentos circulatórios num dínamo de bicicleta, este ferro em movimento cria correntes elétricas que, por sua vez, geram o nosso campo magnético em constante mudança.
A monitorização das mudanças no campo magnético pode, portanto, dizer aos investigadores como se move o ferro no núcleo.
A precisão das medições pela constelação de satélites ‘Swarm’ permite separar as diferentes fontes de magnetismo, tornando a contribuição do núcleo muito mais clara.
Um artigo publicado hoje na ‘Nature Geoscience’ descreve como as medições dos Swarm levaram à descoberta de uma corrente no núcleo.
Phil Livermore, da Universidade de Leeds, no Reino Unido, e principal autor do artigo, disse: “Graças à missão, obtivemos novos conhecimentos sobre a dinâmica do núcleo da Terra e é a primeira vez que essa corrente foi vista e não só - também entendemos por que está lá.
Uma característica é um padrão de “fragmentos de fluxo” no hemisfério norte, principalmente sob o Alasca e a Sibéria.
“Estes fragmentos de fluxo de alta latitude são como pontos brilhantes no campo magnético e tornam mais fácil ver as mudanças no campo”, explicou o Dr. Livermore.
Os satélites ‘Swarm’ revelam que essas mudanças são na verdade uma corrente que se move a mais de 40 km por ano - três vezes mais rápido do que as velocidades típicas do núcleo externo e centenas de milhares de vezes mais rápido do que o movimento das placas tectônicas da Terra.
“Podemos explicá-lo como a aceleração numa faixa de núcleo fluido circundando o polo, como o fluxo de correntes na atmosfera”, disse o Dr. Livermore.
Então, o que está  causando a corrente e por que está  acelerando tão rapidamente?
A corrente flui ao longo de um limite entre duas regiões diferentes no núcleo. Quando o material no núcleo líquido se move para este limite a partir de ambos os lados, o líquido convergente é espremido para o lado, formando um jato.
“Claro que é necessária uma força para mover o fluido para o limite”, diz Rainer Hollerbach, também da Universidade de Leeds.
“Isso poderia ser fornecido pela flutuabilidade, ou talvez mais provável pelas mudanças no campo magnético dentro do núcleo.”
Quanto ao que acontece em seguida, a equipa ‘Swarm’ está de vigia e à espera.
Rune Floberghagen, diretor da missão ‘Swarm’ da ESA, acrescentou: “Outras surpresas são prováveis. O campo magnético está a mudar para sempre, e isso pode até fazer mudar a direção da corrente.
“Esta característica é uma das primeiras descobertas da Terra-profunda tornadas possíveis pela missão ‘Swarm’. Com uma resolução sem precedentes agora possível, é um momento muito emocionante - simplesmente não sabemos o que vamos descobrir a seguir sobre o nosso planeta. 


Postar um comentário