EM IMAGENS: A OPINIÃO DE UM FEMINISTA MASCULINO SOBRE AS MULHERES AFRICANAS



 
O fotografo, blogueiro e poeta Nana Kofi Acquah usa suas viagens ao redor da África para narrar a vida de mulheres em seus ambientes mais vulneráveis.
Auto declarado feminista masculino, ele diz que sua missão é mudar a narrativa em torno das mulheres africanas onde elas são freqüentemente retratadas como vítimas das circunstâncias. O fotografo foi entrevistado por Vera Kwakofi da BBC África para a série 100 Mulheres.
"Para mim, o feminismo é quando podemos criar um mundo onde a mulher tem os mesmos direitos que um homem. Eu acredito que a minha filha tem os mesmos direitos que os meus filhos", disse o fotógrafo.
 
"O amor de minha avó, as lições que ela me ensinou - e para minha mãe - me fez me considerar um feminista e me colocar em uma posição de empurrar fortemente as questões das mulheres, a qualquer momento que eu posso", disse ele.
 
"Eu nunca cheguei a fotografar minha avó Mas quando eu conheci Ama Ata Aidoo -. Um dos meus escritores favoritos - sua sabedoria, seu senso de humor afiado, seu interessante olhar para a vida, imediatamente me lembrei da minha avó."
 
Quando o Sr. Acquah conheceu a ativista liberiana Leymah Gbowee ela ainda não tinha ganho o Prêmio Nobel da Paz por seu papel em acabar com a guerra civil de seu país em 2003. "Você poderia dizer que sua cabeça estava no lugar certo, ela sabia o que ela queria. Ela era uma mulher muito determinada", disse ele.
 
"Em Gagnoa, Costa do Marfim, fotografei Agathe Vanie, uma mulher que tinha trabalhado seu caminho até se tornar um líder para as mulheres agricultoras de cacau. Obstinada e muito afável, ela também tem um restaurante e um negócio de cartões de telefone.”
 
 
Old Fadama, também conhecido como Sodoma e Gomorra, é uma favela na capital de Gana, Accra. Estes jovens trabalhadores migrantes tinha guardado algum dinheiro para construir uma casa de madeira compensada e alumínio, que foi demolida pelo governo. "Tenho certeza de que elas a construírão novamente. Elas nunca desistem" disse o fotógrafo.
 
Esta escola em uma parte remota da Costa do Marfim foi doada por um filantropo. A comunidade nunca teve uma escola, para que as crianças começassem a ir às aulas na parte da manhã, os adolescentes no período da tarde e adultos à noite. "As mães que ainda amamentam lá. Nada poderia levá-los para fora da sala de aula."
 
Alimata Ouedraogo é presidente de um grupo de tecelões em Ponsomtenga, Burkina Faso. Alguns dos tecidos que tecem acabam nos grande desfiles de moda do mundo. "Quando eu cheguei lá eles estavam tecendo para algum projetista do Japão. Ela também estava muito orgulhosa de  estar aprendendo a ler e escrever."
 
"A imagem mais dominante da mulher Africana é como uma besta de carga, carregando um pote  ou  um pouco de lenha na cabeça, ela está sempre sobrecarregada. Eu vejo artistas tentando embelezar ou glorificá-las, mas essa imagem sempre me deprime. "
 
 
 
 
"Não podemos comparar uma mulher a um burro, mas em muitos lugares da África,  é a forma como os homens tratam suas mulheres. Muitos homens têm medo de que, se derem asas a suas mulheres, elas irão para os reinos que os próprios homens nunca poderão alcançar."
 
 
"Um primo me disse uma vez que ele nunca iria se casar com uma mulher que era mais educada do que ele. Essa insegurança que ele expressa como um adolescente é a mesma insegurança que eu vejo em um monte de homens, homens, mesmo bem-educados. Por que um  homem é inseguro frente ao poder e sucesso de uma mulher?”
 

 
"Se uma mulher quer seus filhos na escola, se ela quer alguma coisa melhor, ela tem que trabalhar duas vezes mais duro que seu irmão. Mas o que as mulheres Africanas têm em comum é um belo espírito, forte. Vejo que em todos os lugares que eu vou, mesmo em culturas onde elas são reprimidas e oprimidas, elas são fortes lutadoras".
 
 
Texto e imagens BBC Africa
 
 
 
 
 
 
 
Postar um comentário