EMISSÕES DE CARBONO DEVEM ZERAR PARA EVITAR DANOS IRREVERSÍVEIS


Após uma semana de debate intenso entre cientistas e governos, o aguardado Relatório Síntese do Painel Intergovernamental para Mudanças Climática (IPCC) foi lançado neste domingo (02/11), em Copenhague, capital da Dinamarca, juntamente com resumo para tomadores de decisão.
Resultado do trabalho de milhares de cientistas, o documento – de cerca de 100 páginas – resume causas, impactos e soluções para o aumento da temperatura do planeta. Segundo Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU, o relatório é a “avaliação mais abrangente já feita a respeito das mudanças climáticas”. Três conclusões merecem destaque:
- a luta contra as mudanças climáticas é economicamente viável;
- em última análise, emissões de carbono deverão cair para zero, e
- a pobreza mundial só poderá ser reduzida se o aquecimento global for freado.
Nos últimos 13 meses, o IPCC lançou três grandes relatórios sobre o que diz a ciência física, os impactos e as formas possíveis de lidar com as mudanças climáticas. Eles concluem que as alterações são “inequívocas”, claramente causadas pela humanidade e que, mesmo que o aumento de temperatura seja impedido, seus efeitos durarão de centenas a milhares de anos. “O Relatório Síntese reúne todos estes elementos do quebra-cabeças”, disse Rajendra Pachauri, presidente do IPCC, em coletiva de imprensa.
Impactos, como ondas de calor e eventos extremos do clima, já podem ser sentidos em todo o mundo, dos trópicos aos polos, pelos ricos e pelos pobres. “Em oito anos como secretário-geral da ONU, viajei o mundo para ver os efeitos das mudanças climáticas. Eu vi as geleiras derretendo rapidamente. Não sou cientista, mas quero, como cidadão comum, poder somar minha voz à deles. Existe um mito de que a ação climática será muito cara, mas a inação custará muito mais”, falou Ban Ki-moon.
Pachauri destacou que, para manter o aumento da temperatura em 2ºC ou menos, pelos próximos 76 anos custaria, aproximadamente, 0,06% do PIB mundial por ano. No mesmo período, o PIB deve crescer pelo menos 300%.
Para Michel Jarraud, secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), políticos dos países que não agirem proativamente serão responsabilizados como culpados pela população. “Ignorância não pode mais ser usada como desculpa para nenhuma ação”, apontou.
O relatório veio em um momento crítico da ação internacional de combate às mudanças climáticas e servirá de base para a elaboração de um acordo global na COP21, em Paris, em 2015. Lembramos que, em setembro, centenas de milhares de pessoas participaram da Marcha pelo Clima em todo o mundo, enquanto líderes de 120 nações se reuniam na sede das Nações Unidas, em Nova York, para enfrentar a alteração climática. Hoje, cidadãos do mundo todo conhecem não só os problemas causados pelo aquecimento global, mas também sua origem, e pedem ações efetivas e mais compromisso dos governos.
Postar um comentário