DESMATAMENTO REDUZ PELA METADE AS CHUVAS NA ÁFRICA


O desmatamento para a agricultura afeta a quantidade de chuvas nas florestas circundantes às áreas desmatadas pondo em perigo sua sobrevivência.

A Bacia do Congo na África Ocidental, está secando. A segunda maior floresta tropical do mundo, depois da Amazônia, o crescimento da agricultura e exploração madeireira as chuvas se tornam cada vez mais escassas. A precipitação é reduzida em até 50% em áreas próximas dos campos.
Sem a sua termorregulação da floresta, a concentração de nuvens é reduzido e, portanto, a possibilidade de chuva. Os pesquisadores agora querem ver como esse fenômeno ocorre na África Ocidental. "Eu sabia que a partir de observações de satélite que as mudanças no uso da terra podem ter um grande impacto sobre os padrões climáticos locais. Aqui fomos capazes de demonstrar o que acontece", disse Luis Garcia-Carreras, British University of Leeds
"Nossas descobertas sugerem que não é só o número de árvores desenraizadas, que ameaça a estabilidade das florestas tropicais do mundo, o padrão de desmatamento também é importante", diz ele.
Usando modelos de tempo, descobriu que enquanto a precipitação total manteve-se inalterada, a chuva foi 4-6 vezes maior nas terras de cultivo (que são zonas mais quentes) enquanto no resto da floresta foi reduzida pela metade. A diferença de precipitação é causada pela diferença de temperatura entre as áreas de cultivo e a floresta, o que produz os ventos que convergem sobre as áreas de cultivo e formam as nuvens.
"As florestas da África já têm a menor precipitação de todos os outros ecossistemas florestais da Terra, o que poderia torná-las sensíveis a mudanças nos padrões climáticos locais", disse Garcia-Carreras. "Portanto, se a chuva é ainda mais reduzida como resultado do desmatamento, isso poderia ameaçar a sobrevivência das florestas remanescentes, aumentando a sensibilidade das árvores à seca", acrescenta.
Estudo de seus colegas, publicado na Geophysical Research Letters, o professor Doug Parker, também da Universidade de Leeds, acrescentou: "Embora nosso estudo se centrou apenas em uma pequena região da África, é razoável sugerir que esse mecanismo pode ser comum em outras florestas do mundo com base em observações similares de chuvas na Amazônia."

Relatório afirma que desmatamento na África é quatro vezes a média mundial

Menos de 2% das florestas da África estão sob controle de comunidades, em comparação a cerca de 30% na América Latina e Ásia.
Yaounde (Camarões) - As florestas da África estão desaparecendo a um ritmo quatro vezes maior do que a média mundial, de acordo com um relatório de uma coalizão de ONGs, a Rights and Resources Initiative (RRI).
O relatório, intitulado Tropical Forest Tenure Assessment: Trends, Challenges and Opportunities, diz que mudanças no regime de propriedade poderiam ajudar a interromper o desmatamento, tornar mais lentas as mudanças climáticas e aliviar a pobreza.
Postar um comentário