ESTAÇÃO BRASILEIRA NA ANTARTICA TERÁ ENERGIA LIMPA


ESTAÇÃO COMANDANTE FERRAZ

HOJE, domingo (9/10), uma equipe partirá do Brasil para a Antártica com a missão de instalar motogeradores a etanol na estação Comandante Ferraz. O projeto de geração de energia limpa na base brasileira do continente gelado é uma ação conjunta da Petrobras, Vale Soluções em Energia (VSE) e Marinha do Brasil, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). A previsão é de que a geração comece no início de novembro. Após 15 dias, terá início um programa científico de avaliação, para assegurar que todos os requisitos de segurança operacional estejam adequados às rigorosas condições climáticas.
A operação de embarque dos equipamentos no navio de apoio oceanográfico Ary Rongel está sendo feita esta semana. O motogerador a etanol é produzido pela VSE, uma sociedade entre a Vale e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A tecnologia, totalmente nacional, permite que os motores gerem energia limpa, usando etanol sem aditivos. Segundo a Finep, o sistema inclui um equipamento de controle e comando via internet.
A Petrobras fornecerá os 350 mil litros de etanol necessários à operação de avaliação, que validará a eficiência energética do etanol em condições de baixa temperatura na estação.
“A utilização do etanol para a produção de energia nas rigorosas condições climáticas da Antártica abre um novo campo para esse combustível renovável”, avalia Ricardo Castello Branco, diretor de Etanol da Petrobras Biocombustível. O projeto é beneficiado pela Lei da Inovação, por meio dos programas Finep Inova Brasil e Subvenção Econômica.
A Estação Comandante Ferraz começou suas atividades em 1984, e contava com oito módulos para abrigar 12 pessoas, entre pesquisadores e pessoal de apoio. Atualmente, a EACF é composta por 63 módulos, entre alojamentos, laboratórios, oficinas, sala de estar, enfermaria, cozinha, biblioteca, paióis, sala de comunicações, ginásio de esportes e um heliponto, perfazendo uma área de aproximadamente 150 m2 de área construída. Possui instalações para abrigar 40 pessoas.
Além disso, tem toda estrutura para o trabalho dos pesquisadores, laboratório de biologia, módulos de Ciências da Atmosfera, módulo de Aquários, módulo de Meteorologia, módulo de Ionosfera, módulo de Química, módulo de Triagem, lancha de pesquisa, botes infláveis, microcomputadores e impressoras. A energia elétrica é abastecida por meio de motores diesel-geradores e o abastecimento de água é proveniente de dois lagos de degelo que estão próximos à Estação.
A Estação conta com um Grupo Base constituído por três oficiais e sete praças (sargentos e cabos) da Marinha, pesquisadores e um grupo de manutenção. Possui ainda, um centro de comunicações e uma agência de Correios.
É difícil chegar à Estação Antártica Comandante Ferraz. Se os ventos estiverem muito fortes o desembarque pode atrasar (até 10 dias). A permanência também não é fácil – por exemplo, em algumas épocas é preciso derreter gelo para conseguir água. No inverno, é uma escuridão. A comunicação é precária, mesmo nos tempos da internet. Mas para trabalhar é um lugar fascinante, principalmente para os cientistas.
QUEM FOI O COMANDANTE FERRAZ
O comandante da Marinha Luís Antônio de Carvalho Ferraz, hidrógrafo e oceanógrafo, visitou o continente antártico junto com oficiais britânicos em 1975. Ferraz foi um importante incentivador da presença científica do Brasil no continente. Morreu aos 42 anos, em 1982.
Postar um comentário