POR DENTRO DO WIKILEAKS


Os documentos publicados no Wikileaks são muito mais do que uma simples denúncia sobre como os EUA atuam no mundo e que tipo de sujeira eles podem estar envolvidos. São um contundente documento histórico que deixa exposta a essência de uma era.

Juntos, eles constroem uma narrativa de como a superpotência vê e atua em um mundo em mutação. Através deles, se pode ver de perto a narrativa diplomática sobre duas guerras falidas, uma guerra contra o terror igualmente fracassada, uma crise financeira como poucas na história, o início de uma nova ordem mundial com uma multiplicidade de nações surgindo como importantes atores globais.

Retratam, de dentro, as diferenças e semelhanças entre o governo de Bush e o de Obama. E refletem também uma crise ambiental sem precedentes, mostrando como os EUA atuaram ou deixaram de atuar por sua causa.

São o retrato de um império em decadência.

Como em lançamentos anteriores, o WikiLeaks avaliou que precisava de parceiros de peso para dar substância ao material em um primeiro momento. Por isso os cinco grandes veículos - Le Monde, El País, The New York Times, The Guardian e Der Spiegel - foram contatados, e entraram na parceria com exclusividade.

São jornais reputados que têm a estrutura necessária para processar essa enormidade de informações e produzir reportagens a partir dela.
Além disso, somente através desses parceiros, já conhecidos do WikiLeaks, a organização poderia se certificar de que todos os telegramas que forem publicados – todos – irão passar por um rígido controle de redação final.

Cada jornal é obrigado a editar os documentos e retirar os nomes de pessoas que possam sofrer risco por causa do conteúdo dos documentos. Essa é uma preocupação central da organização.

Mesmo assim, estava claro que para eles o mais interessante seria os “furos”, o pote de ouro no fim do arco-íris do jornalismo mainstream.

Para equilibrar um pouco a cobertura e evitar uma corrida desenfreada pelo “furo”, o WikiLeaks conseguiu negociar uma programação de matérias que serão publicadas ao longo das semanas por esses jornais. Assim, o conteúdo é mais bem aproveitado e notícias de tamanha relevância podem ser digeridas por mais tempo.
Além desses cinco veículos, o Brasil é o único país que tem tido a oportunidade de conhecer o conteúdo dos telegramas provenientes da sua embaixada e consulados. Isso porque o WikiLeaks considera o público brasileiro como grande aliado. O Brasil tem um enorme número de internautas e um dos movimentos pela liberdade na internet mais ativos do mundo.

Por isso, a organização resolveu criar uma forma de comunicação direta com ele. Dessa forma, fui convidada, como jornalista independente, a colaborar com o projeto.

Ao longo da última semana, produzi algumas matérias em português no site para que o público pudesse ver como esse material é rico. Ao mesmo tempo, em parceria com a Folha de S. Paulo, esse material pôde chegar impresso em tempo real para os leitores brasileiros.

Segunda fase

Esta semana começa a segunda fase da divulgação. Agora, o WikiLeaks vai trabalhar em parceria com dois dos maiores jornais do país – a Folha e O Globo – utilizando dois grandes repórteres, que buscarão dar o tratamento adequado ao material.

São centenas de histórias que merecem tempo, apuração e faro para serem bem escritas, e como o WikiLeaks é uma organização pequena (embora grande), não tem condições de realizar todo o jornalismo sozinho. Contamos com os dois jornais para nos ajudar a narrar essa importante história.

Natália Viana é jornalista e colaboradora do Opera Mundi
Postar um comentário