SONDA MAVEM JÁ ESTÁ EM ORBITA DE MARTE


Seus objetivos são estudar como o planeta perdeu sua atmosfera e a água que possuía. Dentro de 6 semanas os instrumentos da Sonda estarão aptos a iniciar os estudos que deverão se concluir até meados de novembro.
22.09.2014
 
Opportunity, Curiosity, Mars Express, Mars Odyssey y Mars Reconnaissance Orbiter agora tem uma nova companheira de viagem. Ela não tem câmaras e seguirá uma órbita realmente extrema, que a envolverá nas capas mais altas da atmosfera do planeta analisando de forma direta, algo longe da capacidade das veteranas, extraordinárias todas elas, porem com objetivos mais normais para o que se espera de uma sonda em órbita. Assim é a recém chegada cheia de energia e expectativas da juventude.
Sua chegada se deu tal como estava previsto com a ignição de seus impulsores durante 33 minutos que frearam a nave o suficiente para permitir que a gravidade marciana a capturasse de forma definitiva em uma órbita elíptica ainda por confirmar. A operação de colocar a sonda em órbita de Marte foi tão perfeita que tornou desnecessárias várias das correções de trajetórias previstas. Se a frenagem pela ignição dos impulsores houvesse falhado MAVEN seguiria seu caminho em direção ao Sol o que implicaria no fracasso da missão. Porém, novamente a experiência da NASA e do JPL com este tipo de operação fez com que tudo se desse sem falhas.
As próximas semanas serão intensas para MAVEN que ajustara sua órbita para começar a fase científica, colocará em plena atividade seus instrumentos científicos e se preparará não só para estudar Marte, como também, em uma oportunidade única para a astronomia, a chegada do cometa Siding Springs, observando como suas partículas interagem com a atmosfera do planeta. Depois chegará a hora de seus vôos próximos à superfície (5 previstos) apenas a 150 Km de altura na parte mais baixa de sua órbita para permitir a tomada de dados atmosféricos diretos, o ultimo objetivo de sua viagem, que deverá dar-se por volta de 8 de novembro: conhecer os motivos da perda de atmosfera de Marte, desde tempos aparentemente mais quentes e húmidos e saber qual foi o destino da água que um dia deixou o planeta.
Terminada suas missões elevará sua órbita e trabalhará principalmente como um laço de comunicação com as sondas da superfície, tantos as atuais como as futuras num espaço de tempo até que se acabe o combustível de seus propulsores que deverá levar cerca de 10 anos. Tudo isso porém faz parte do futuro. Agora vamos celebrar a nova sonda exploradora que alcançou seu objetivo inicial e se prepara para fazermos avançar um pouco mais nosso conhecimento sobre o Universo que nos rodeia.
 
Postar um comentário