ROBÔ SCHIAPARELLI DESAPARECE APÓS DESCIDA

Pouso planejado para robô Schiaparelli
Era uma viagem de dois, porém ao final, parece que só um conseguiu, felizmente o mais  importante de ambos, mas ficou aquele gosto amargo e a sensação de que o futuro EXOMARS ROVER que deve chegar em 2020 talvez não esteja tão próximo. No final foi um teste técnico para provar que ESA e RUSSIA estavam preparados para fazer um pouso suave em Marte, mas não teve sucesso.
Mas vamos por partes e ver primeiro o lado positivo:
Uma vez solto da Schiaparelli a sonda TGO corrigiu seu rumo para a tarefa nunca fácil de entrar na atmosfera marciana e entrar em órbita, ligando seu propulsor principal por 137 minutos com o objetivo de frear sua velocidade o suficiente para que Marte a aprisionasse em sua órbita. Nessa operação as comunicações de telemetria estão suspensas, mas a sonda realizou suas manobras conforme previsto. Isso ocorreu quando ela estava atrás de Marte, em relação à Terra, por isso foi necessário aguardar alguns minutos até que ela reapareceu e confirmou que se comportou sem o menos erro. Uma inserção orbital exemplar.
Sonda espacial TGO entra em órbita de Marte
Posteriormente se confirmo que a órbita era a esperada (uma volta completa ao planeta a cada 4 dias terrestres), e que se recuperaram as comunicações Agora TGO irá lentamente ajustando sua órbita até a posição final que deverá ocorrer até 2018.
A nota negativa veio de Schiaparelli. Este módulo de aterrissagem destinado a testar tecnologias a serem usadas no futuro rover EXOMARS entrou na atmosfera, soltou seu pára-quedas, se separou do escudo, enfim, parece que realizou todas as operações previstas, mas quando se encontrava a algumas centenas de metros do solo seu sinal se interrompeu por completo. Isso coincidiu com a ligação dos retrofoguetes. É possível que não funcionaram atingindo o robô a superfície mais rápido do que o previsto danificando-se.

Sua perda cientificamente representa muito pouca coisa, O robô tinha poucos instrumentos e um plano de vida de poucos dias. Mas a tecnologia de pouso, a mesma que levará o rover EXOMARS em 2020 , essa era importante e falhou. Se deverá começar do zero com o projeto? Só o tempo e uma análise mais detalhada dos cientistas da ESA nos dará essa resposta.






Postar um comentário