TERIA O SISTEMA SOLAR UM NONO PLANETA?

Uma representação artística do 9º planeta
Uma equipe do Instituto de Tecnologia da Califórnia, o Caltech, parece realmente ter encontrado evidências de um planeta gigante e gélido orbitando nosso Sol a uma distância inimaginável até então. O artigo, que foi publicado por Konstantin Batygin and Mike Brown (um dos responsáveis por rebaixar Plutão a um planeta-anão em 2006), descreve esse novo mundo como sendo de cinco a dez vezes mais massivo que a Terra e de duas a quatro vezes mais largo. Essas proporções não são conhecidas em nenhum outro mundo, tornando-o o quinto maior planeta do Sistema Solar, próximo a Urano em termos de massa. A órbita do novo planeta é imensa, nunca chegando mais perto do Sol do que 30,5 bilhões de quilômetros, que representa cinco vezes a distância da órbita média de Plutão. Em tese, esse planeta seria extremamente frio e escuro, o que justifica que nunca tenhamos tirado uma foto dele. A existência dele é tão controversa que os estudiosos do Caltech iniciaram sua pesquisa para provar que ele realmente não existia – mas após anos de estudos, Brown e Batygin realmente perceberam que o modelo das órbitas discrepantes que estudavam só seria possível se o "nono planeta" realmente existisse. 
Evidências são cada vez maiores de sua existência. A caça continua, se por um lado não temos evidências diretas de que o 9º planeta do sistema solar realmente exista, as evidências indiretas, aquelas que buscam as conseqüências de que assim seja, seguem se acumulando uma após outra. Encontrar um planeta com 10 vezes a massa da Terra e em órbita de nosso Sol a uma distância aproximadamente 500 vezes superior a dos dois últimos planetas do sistema é um dos grandes objetivos da astronomia moderna. Existirá realmente? Não sabemos,  porém  pistas existem esperando para serem interpretadas.
Uma destas possíveis evidências é a idéia de o 9º planeta teria uma órbita muito inclinada (cerca de 6º em relação ao equador do Sol) em comparação com a área relativamente plana dos outros 8 planetas oficiais. Esta discrepância tem sido durante muito tempo um mistério para os astrônomos. Poderiam estar ambas evidências conectadas? Assim sugere um estudo recente, que sustenta que a influencia do 9º planeta poderia haver inclinado todo o sistema solar. Uma equipe chefiada por Elizabeth Bailey, astrofísica e cientista planetária do Instituto de Tecnologia da Califórnia, realizou simulações que sugerem que a inclinação dos 8 planetas pode ser explicada pela influência gravitacional deste, ao longo dos 4 e meio milhões de anos de vida do sistema solar.
Existem outras possíveis explicações. Por exemplo: partículas eletricamente carregadas, influenciadas pelo campo magnético do jovem Sol poderiam ter atuado sobre o disco de gás e pó que deu origem aos planetas, de modo que terminaram nascendo com a presente inclinação. Podia também ter havido um desequilíbrio na massa do jovem Sol. Todas elas são difíceis de provar, todas elas lembram processos que possivelmente estavam presentes nos princípios do Sistema Solar. Mas o 9º planeta é a primeira hipótese que não depende das condições iniciais. Se for encontrado, seremos capazes de dizer que é o único responsável pela inclinação do sistema.

Ainda que não seja uma prova sólida e pode haver outras respostas a este enigma, não há mais o que acrescentar à lista de evidências para suportar este edifício teórico. Os astrônomos parecem confiantes, até ao ponto de que alguns consideram a teoria do 9º planeta um fato eminente de ser provado talvez em mais um ano ou dois. O tempo o dirá é certo, a busca continua. Como detetives cósmicos seguimos o rastro deste malfeitor que se esconde nas sombras. 


Postar um comentário