SONDA MAVEN DÁ DETALHES SOBRE A FUGA DE ÁGUA DE MARTE

SONDA MAVEN
Depois de investigar a atmosfera superior do planeta vermelho por um ano marciano completo, a missão MAVEN da NASA determinou que a água perdida nem sempre vai suavemente para o espaço.
Medições sofisticadas feitas por um conjunto de instrumentos no MARS ATMOSPHERE AND VOLATILE EVOLUTION, ou MAVEN, revelou os altos e baixos de fuga de hidrogênio - e, portanto, da perda de água. A taxa de fuga atingiu o pico quando Marte estava em seu ponto mais próximo do Sol, 10 vexes mais, e reduziu-se quando o planeta estava mais distante do sol.
"MAVEN está nos dando detalhes sem precedentes sobre a fuga de hidrogênio da atmosfera superior de Marte, e isso é fundamental para nos ajudar a descobrir a quantidade total de água perdida durante bilhões de anos", disse Ali Rahmati, um membro da equipe perito na Universidade da Califórnia em Berkeley, que analisou dados de dois dos instrumentos da sonda.
O hidrogênio na atmosfera superior de Marte vem de vapor de água da atmosfera mais baixa. Uma molécula de água atmosférica pode ser quebrada pela luz solar, liberando os dois átomos de hidrogênio do átomo de oxigênio. Diversos processos de trabalho na atmosfera superior de Marte podem então, agir sobre o hidrogênio, levando à sua fuga.
"Agora sabemos como essas grandes mudanças ocorrem, nós pensávamos que a fuga de hidrogênio de Marte era como um vazamento lento e constante, como de um pneu furado. Agora sabemos que é como um fluxo episódico - subindo e descendo com a estação e, talvez, pontuado por rajadas fortes", disse Michael Chaffin, um cientista na Universidade do Colorado em Boulder, que está na equipe latente ultravioleta Spectrograph (IUVS). Chaffin apresentou alguns resultados IUVS em 19 de outubro na reunião conjunta da Divisão de Ciências Planetárias e no Congresso Europeu de Ciência Planetária, em Pasadena, Califórnia.
Ao investigar a fuga de hidrogênio de várias maneiras, a equipe MAVEN será capaz de trabalhar os fatores externos que levam a fuga. Os cientistas já sabem que a órbita elíptica de Marte faz com que a intensidade da luz solar que atinge Marte pode variar até 40 por cento durante um ano marciano. Há também um efeito sazonal que controla a quantidade de vapor de água presente na atmosfera mais baixa, bem como variações na quantidade de água na atmosfera superior. O ciclo de atividade solar de 11 anos é outro fator provável.
"Além disso, quando Marte está mais próximo do sol, a atmosfera torna-se turbulenta, resultando em tempestades de poeira globais e outras atividades. Isso pode permitir que a água na baixa atmosfera suba para altitudes muito elevadas, fornecendo uma fonte intermitente de hidrogênio que pode então escapar ", disse John Clarke, um cientista da Universidade de Boston da equipe IUVS.
Ao fazer observações por um segundo ano em Marte e durante diferentes partes do ciclo solar, os cientistas serão mais capazes de distinguir esses efeitos. MAVEN  continua estas observações na sua missão estendida, que foi aprovada até pelo menos setembro de 2018.

"As descobertas de MAVEN irão revelar não só o que está acontecendo na atmosfera de Marte agora, mas ao longo do tempo como este tipo de perda de hidrogênio contribuiu para a mudança global de um ambiente úmido para um planeta seco que vemos hoje", disse Rahmati.

Planeta outrora com enorme quantidade de água hoje está quase árido

Postar um comentário